Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Blog da Rússia Em detalhes, a cobertura da Copa do Mundo de 2018

Bunker 42, por dentro da Guerra Fria

Abrigo antinuclear fica a 65 metros de profundidade com acesso somente por escadas

Por Silvio Nascimento - 13 jul 2018, 06h34

MOSCOU – É bom chegar preparado para a visita ao Bunker 42, no cento da cidade: sob um prédio de cor pastel, comum, igual a centenas de outros, a visita ao abrigo antinuclear dos tempos da Guerra Fria exige físico, paciência e uma boa dose de atenção para captar as informações do guia russo e – spoiler – para enfrentar a simulação de um ataque com sirenes, luzes piscando e uma explosão num corredor escuro e apertado.

Único bunker aberto à visitação, esteve em atividade por mais de 30 anos, até a metade da década de 80. Foi idealizado pelo governo de Joseph Stalin e sob suas ordens as construções começaram em 1950, iniciando suas operações em 1954. O bunker tinha ligação com o Kremlin, sede do governo soviético, e principal função de proteger a cúpula de comando e ainda permitir que de lá saíssem as ordens de defesa e reação em casos de ataque nuclear.

Mais de 2.000 funcionários trabalharam na construção que fica a 65 metros do nível do solo sem que se percebesse que estavam cavando e preparando o lugar que abrigaria o comando do governo em situação de emergência – há informação de poderiam ficar lá 600 pessoas por até três meses.

Para aproveitar bem a visita, é preciso checar os horários disponíveis, preço e se a visitação tem guia em inglês – na maioria dos horários é em russo. O acesso às instalações é por escadas em corredores estreitos, protegidos por mais de um metro de concreto à sua volta e chapas de aço: são 290 degraus em 18 lances duplos de escada – ou seja, a mesma quantidade na volta, não há elevador. O lugar é razoavelmente fresco, mas apertado na maioria das instalações.

Publicidade

No tour básico, é possível ver a sala de comunicações, onde ocorriam reuniões, local de descanso com camas, e vários itens como medidores de radiação, máscaras, mobiliários, equipamentos de comunicação, roupas e armas. O bunker tinha ligação com a estação de metrô Taganskaya e uma rota secreta de acesso/fuga que saía diretamente do Kremlin, a sede do governo..

Originalmente, o complexo do bunker tinha quatro níveis, em túneis separados, e ocupava 7.000 m2. O espaço aberto à visita era onde funcionavam as operações do centro de controle. Nos outros setores eram distribuídos os telegrafistas, os reservatórios de água e energia, e  acomodações com dormitório, vestiário e cozinha.

Na parte final da visita, uma simulação de ataque pode deixar algumas pessoas com o nível de adrenalina mais alto: depois de acostumado coma pouca luz e o ruído dos trens do metrô que invadem o ambiente, as luzes são apagadas ao som de uma explosão, acompanhados de sirenes e luzes piscando.

Serviço

Endereço: 5th Kotelnicheski Lane 11, cerca de 10 minutos de caminhada da estação Taganskaya. telefone: +7 (499) 703-44-55 (reservas em inglês)

Publicidade

Horário: diariamente das 10h às 21h – o tour dura cerca de 1 hora

Preço: 2.200 rublos por pessoa (cerca de 138 reais), mas há preços diferentes para grupos de diversos tamanhos. Fazendo a reserva, o bilhete deve ser retirado e pago 15 minutos antes do horário da visita no guichê do Bunker.

Publicidade