Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Salvador negocia trazer restos mortais de Tomé de Sousa para o Brasil

Segundo vereador, conversas com portugueses estão avançadas; Sousa fundou a capital baiana em 1549 e foi o primeiro governador-geral brasileiro

Por Rodrigo Daniel Silva Atualizado em 18 abr 2019, 16h02 - Publicado em 18 abr 2019, 10h31

Uma comissão da Câmara de Vereadores de Salvador negocia com o governo português para transferir os restos mortais do primeiro governador-geral do Brasil, Tomé de Sousa, para o país. Fundador da capital baiana em 1549, o português está hoje enterrado em um antigo mosteiro da cidade de Vila Franca de Xira, em Portugal.

Presidente da comissão, o vereador Henrique Carballal (PV) afirmou que a ideia de trazer os restos morais ao Brasil foi do advogado Ademir Ismerim. “Tomé de Sousa não tem familiar vivo. Logo, não há proprietário dos restos mortais. Ele também não é herói em Portugal. Então, estamos com as tratativas bem avançadas”, declarou.

  • De acordo com vereador, se o governo português autorizar, os restos mortais ficarão em um túmulo na Praça Tomé de Sousa, onde ficam a Câmara e a prefeitura de Salvador. “Terá aqui um depósito digno e seguro. Esperamos que, no próximo aniversário da cidade (em 29 de março), já esteja aqui”, ressaltou.

    Se chegar a Salvador, os restos mortais de Tomé de Sousa vão receber “confortos religiosos” da Igreja Católica e “honras militares”, por ser católico e o primeiro mandatário do país, segundo Carballal. Tomé de Sousa veio para o Brasil por ordens do rei de Portugal, Dom João III, para fundar a cidade-fortaleza chamada “do São Salvador”, onde ficaria a sede deste governo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade