Clique e assine a partir de 9,90/mês
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Preso na Lava Jato, ex-deputado Luiz Argôlo é solto após quatro anos

Ex-parlamentar foi solto após o TRF-4 autorizar que ele parcele uma dívida judicial; segundo a Corte, ele deve 1,9 milhão de reais

Por Rodrigo Daniel Silva - Atualizado em 17 abr 2019, 18h31 - Publicado em 17 abr 2019, 11h51

O ex-deputado federal Luiz Argôlo foi solto na tarde da terça-feira 16, após cumprir quatro anos de prisão. Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) da Bahia, o ex-parlamentar ficará em liberdade condicional. Ele cumpria pena no Complexo Penitenciário Lemos Brito, em Salvador.

Argôlo estava preso desde abril de 2015. No mesmo ano, ele foi condenado a onze anos e onze meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo então juiz da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, Sergio Moro, responsável pela Lava Jato. Em dezembro de 2016, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a pena para doze anos e oito meses.

O ex-deputado foi solto após o TRF-4 tê-lo autorizado a parcelar uma dívida judicial. Segundo a Corte, Argôlo deve 1,9 milhão de reais, valor relativo à soma da multa penal mais a reparação do dano.

De acordo com a decisão de Moro, Argôlo recebeu propina de 1,47 milhão de reais, entre os anos de 2011 e 2014, de fornecedores da Petrobras, quando era deputado federal.

Publicidade