Clique e assine a partir de 9,90/mês
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Presidente do DEM defende decisão do STF de criminalizar homofobia

ACM Neto afirmou que 'muita gente' de seu partido é contra criminalização, mas ressaltou que não dá mais para conviver com 'preconceito e discriminação'

Por Rodrigo Daniel Silva - 24 maio 2019, 15h21

Presidente nacional do DEM, o prefeito de Salvador, ACM Neto, defendeu nesta sexta-feira, 24, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de enquadrar a homofobia e a transfobia como crimes de racismo. O julgamento ainda não foi concluído, mas seis dos onze ministros já votaram neste sentido.

Neto afirmou que “muita gente” do seu partido é contra a medida, mas ressaltou que não dá para conviver mais com qualquer tipo de “preconceito e discriminação”.

“Assim como o Brasil avançou muito quando criminalizou o racismo, não podemos conviver a essa altura do campeonato com preconceito e discriminação. A opção e preferência sexual de cada um tem a ver com sua vida. Tem a ver com suas escolhas. Tem a ver com sua condição de ser humano. Não é razoável que uma pessoa, por fazer a opção de viver com alguém do mesmo sexo, seja agredida, ofendida”, afirmou o democrata.

O presidente do DEM disse, no entanto, que o Judiciário precisa “ter todo cuidado” para não caracterizar como crime casos que não são de homofobia. “Eu apoio a decisão do Supremo Tribunal Federal mesmo sabendo que vai dar muita polêmica, porque tem muita gente no meu partido que pensa diferente de mim. E eu já deixo isso registrado”, pontuou.

Publicidade