Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

‘História fará o julgamento da omissão de Ciro’, diz governador do PT

Rui Costa afirmou, ainda, que acredita na 'maior virada do período democrático', em alusão à eventual vitória de Fernando Haddad contra Jair Bolsonaro

Por Rodrigo Daniel Silva 28 out 2018, 12h25

O governador reeleito da Bahia, Rui Costa (PT), evitou criticar a decisão do ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), de não declarar apoio aberto ao presidenciável Fernando Haddad (PT), apesar do apelo do PT e dos aliados, mas cutucou o pedetista.

“Toda manifestação a favor da democracia é bem-vinda. Aqueles que preferem se omitir a história fará o julgamento de cada um deles. Eu prefiro neste momento reconhecer a quem teve vontade e coragem de se manifestar”, disse na manhã deste domingo (28), após votar no bairro da Liberdade, em Salvador.

Rui Costa e o ex-governador da Bahia e senador reeleito Jaques Wagner (PT) chegaram a defender publicamente que o PT abrisse mão da candidatura para apoiar Ciro Gomes na disputa presidencial, mas foram votos vencidos.

  • O governador também não quis comentar a visita que o deputado federal João Carlos Bacelar (PR), que é seu aliado no estado, fez ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) neste sábado (27). “Eu não vi e prefiro não comentar. Cada um vai fazendo as suas escolhas na vida, eu agradeço as pessoas que têm atitudes firmes”, ressaltou.

    Rui Costa disse que acredita na virada de Haddad, apesar de as pesquisas apontarem a vitória do capitão reformado. “Eu tenho certeza que nós vamos vencer. Hoje é o dia da virada. Como eu sempre digo na vida: com emoção é muito melhor e será a maior virada do período democrático desse país”, salientou.

    Continua após a publicidade
    Publicidade