Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Governador da Bahia diz que Nordeste será contra proposta de Paulo Guedes

Para Rui Costa, a ideia do ministro de acabar com as despesas obrigatórias e as vinculações orçamentárias é 'inadmissível' e 'incompreensível'

Por Rodrigo Daniel Silva - 12 mar 2019, 20h15

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), disse, nesta terça-feira, 12, que com “certeza” os governadores do Nordeste serão contra a proposta do ministro da Economia, Paulo Guedes, de acabar com as despesas obrigatórias e as vinculações orçamentárias. Para o petista, a ideia do auxiliar do presidente Jair Bolsonaro (PT) é “inadmissível e incompressível”.

“Isso seria prejudicar extremamente a população mais pobre. Seria acabar com ensino público no Brasil. Piorar a já difícil situação do financiamento público da saúde do nosso país. E retirar dinheiro da assistência social. Levarei, na quinta-feira, essa posição para a reunião dos governadores e tenho certeza que haverá consenso de manifestar posição contra qualquer proposta que retire dinheiro da educação, saúde e assistência social”, afirmou Rui, no programa “Papo Correria”, que é transmitido pelas suas redes sociais.

Em entrevista publicada no final de semana no jornal Estado de São Paulo, Paulo Guedes afirmou que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que será enviada ao Congresso Nacional, tem a intenção de dar aos políticos 100% do controle sobre os orçamentos da União, Estados e municípios.

“Os políticos têm de assumir as suas responsabilidades, as suas atribuições e os seus recursos. Eles são gestores públicos e sabem o desafio que têm. Hoje o cara está sentado lá numa prefeitura, no governo do Estado, vendo subir isso, subir aquilo, sendo obrigado a fazer isso, fazer aquilo, e percebendo que ele não manda nada. Eles têm de mudar isso, assumir o protagonismo”, defendeu.

Publicidade