Clique e assine a partir de 8,90/mês
Bahia Por VEJA Correspondentes Política, negócios, urbanismo e outros temas e personagens baianos.

Candidato de ACM Neto ao governo da Bahia vira réu por crime em licitações

MP-BA aponta irregularidade em contrato de R$ 6,4 milhões; José Ronaldo de Carvalho nega

Por Rodrigo Daniel Silva - Atualizado em 15 jan 2019, 15h45 - Publicado em 15 jan 2019, 15h23

Candidato do presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, ao governo da Bahia na eleição do ano passado, o ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo de Carvalho virou réu por crimes da lei de licitações. A decisão foi do juiz  Antonio Henrique da Silva.

Segundo o Ministério Público da Bahia, quando era prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo dispensou processo licitatório fora das hipóteses previstas em lei e sem observar as formalidades, em um contrato do município com a Cooperativa de Serviços Profissionais Especializados em Saúde (Coopersade). O valor do contrato é de aproximadamente 6,4 milhões de reais.

Além de José Ronaldo, a Justiça aceitou a denúncia contra Denise Lima Mascarenhas e Cleudson Santos Almeida, que eram secretária de Saúde e subprocurador do município, respectivamente. Na decisão, o magistrado deu o prazo de dez dias para o ex-prefeito apresentar a sua defesa.

Ele negou qualquer irregularidade. “Não posso me manifestar sobre uma denúncia que é feita. Primeiro, tenho que ser notificado e tomar conhecimento de tudo. Farei os devidos esclarecimentos. Várias denúncias de opositores foram arquivadas. Não gosto de me manifestar na imprensa sobre este tipo de comportamento, porque não é o lugar próprio, mas posso assegurar que não há nenhuma irregularidade”, declarou a VEJA.

O ex-prefeito de Feira de Santana foi confirmado postulante ao governo da Bahia após ACM Neto desistir de ser candidato ao governo. Na campanha, ACM Neto chegou a ficar revoltado com o aliado, que declarou apoio aberto ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) no primeiro turno. O democrata soteropolitano apoiava Geraldo Alckmin (PSDB).

Continua após a publicidade
Publicidade