Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Venezuela? Nós pagamos” e outras notas de Carlos Brickmann

Maduro é favorável a Lula e Dilma. Qual sua disposição para retribuir a ajuda oferecida pelo atual Governo brasileiro?

Publicado na Coluna de Carlos Brickmann

Quanto nos custa a festa do caqui da Venezuela? É difícil calcular. O que sabemos é que a Presidência da República emitiu a medida provisória 83, abrindo crédito extraordinário de 190 milhões de reais para enfrentar as despesas com os refugiados venezuelanos. A Venezuela tem abundância de petróleo, mas prefere poupar seu dinheiro. O Brasil assume a responsabilidade pelos refugiados do país vizinho. E assume também a conta ─ ao mesmo tempo, venezuelanos se instalam no Brasil e é preciso, numa época em que nosso país tem desemprego, criar empregos para os refugiados. Há maneira de arranjar emprego para eles e para nós? Talvez haja, mas até agora não houve como manter empregos para os brasileiros e para os venezuelanos.

Pior: nada impede que entre os venezuelanos refugiados haja também uma infiltração de bandidos, de guerrilheiros; e não é o Governo Maduro que irá ajudar o Brasil a livrar-se de maus elementos. Afinal, o Governo Maduro é um foco de maus elementos. E, considerando-se que Maduro é favorável ao governo Dilma, qual sua disposição para ajudar o atual Governo brasileiro? A ideia venezuelana é torpedear o Governo brasileiro. Repetem a fuga dos marielitos (fugitivos do porto de Mariel) de Cuba para os Estados Unidos, infiltrados por bandidos de quem Fidel Castro queria livrar-se. A Venezuela é pior: quer seus bandidos tumultuando a vida dos vizinhos não-bolivarianos.

 

Conjugando

O mundo como ele é:

“Eu roubei, tu roubaste, ele roubou; nós roubamos, vós roubastes, ele roubaram”. Ou “Eu roubo, tu roubas (…)” Ou, quem sabe, “roubarei, roubarás”. O problema é que os políticos que surgiram prometendo que seriam diferentes hoje lutam para provar que são iguais aos bandidos que iriam combater. Não fazem nada de diferente, dizem: roubam como todos.

 

Faustão abre fogo

Fausto Silva raramente fala da situação nacional, mas, quando fala, é um tiro de canhão. No último domingo, enquanto Fernanda Torres falava sobre a violência no Rio, Faustão tomou a palavra e bateu duro. Disse que a violência ocorre no país inteiro, mas o poder público é corrupto, incompetente e não consegue transmitir ao povo nem a necessidade da Reforma da Previdência. Prometeu também não cantar o hino de fim de ano da Globo. “Hoje é um novo dia coisa nenhuma. O Brasil é o único lugar do mundo que o Governo não faz nada por você. Ele rouba você”.

 

Big Data

Interessantíssima a campanha da Rede Globo pedindo que os cidadãos mandem vídeos em que informam “qual o Brasil que queremos”. Alguns milhões de pessoas deverão gravar vídeos, com seus nomes e número de WhatsApp. Será um gigantesco banco de dados, utilíssimo na campanha eleitoral. Pode ser usado pelo candidato da Globo, ou vendido para outros candidatos que saberão direitinho como usar as informações.

 

Curiosidade

Mensagem de um engenheiro aposentado, mas sempre observador:

“Há muitos anos, um fato chama nossa atenção: as empreiteiras que vencem as licitações de obras do Governo Federal, seja qual for o Governo, não são as que executam o trabalho. Sempre as obras são tocadas por uma empresa terceirizada. Deve ser um negócio muito bom e lucrativo, pois há construtoras que nem entram nas licitações, mas se especializaram em executar as obras que outras empreiteiras conquistaram nas concorrências. Num levantamento informal que realizei no Rio Grande do Sul, em 90% dos casos era outra empreiteira executando a obra”.

 

Ótima notícia

O Centro Médico Shaare Zedek e a Universidade Bar Ilan, de Israel, criaram e patentearam um colírio que, aplicado a porcos, produziu bons efeitos tanto em miopia quanto em hipermetropia. No final do ano, haverá testes em seres humanos, diz o oftalmologista David Smadja que, se os resultados forem bons, o colírio, produzido com nanotecnologia, poderá eliminar a necessidade de óculos de grau e de lentes multifocais.

 

Novela quente

A Globo está gravando a série Assédio, com base nos crimes pelos quais foi condenado o Dr Roger Abdelmassih. E o SBT aguarda liberação da Ancine para gravar um seriado com base no livro Bem-vindo ao Inferno, do jornalista Cláudio Tognolli, que narra a trajetória da vítima Vana Lopes até localizar Abdelmassih. Tognolli, repórter de primeira, romancista brilhante, transformou a saga de Vana Lopes numa história excepcional.

Vana Lopes foi quem encontrou Roger Abelmassih em seu esconderijo no Paraguai.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Big Data. Ajudei minha mulher a gravar seu vídeo. Focalizei o celular nela e, em 15 segundos, ela pediu um Brasil sem BBB, sem telenovelas, sem a estupidez over nacionalista da Copa do Mundo. Depois ela me ajudou a fazer o meu. Levei uns 10 segundos pra solicitar a imediata volta de William Waack ao Jornal da Globo. Posso estar enganado, mas acho que não seremos atendidos. Se algum candidato, em todo caso, decidir abraçar essas causas, prometo que voto nele!

    Curtir