Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Um plebiscito nestas eleições presidenciais

Que decidirá ou terá decidido o povo, na consulta popular agregada à votação que escolherá o próximo presidente da República?

Por Deonísio da Silva Atualizado em 30 jul 2020, 20h16 - Publicado em 7 out 2018, 11h28

Deonísio da Silva

Ele, de 58 anos, presidente da República e marechal do Exército, e ela, de 27 anos, jovem, bonita e caricaturista, casaram-se ali.

Uma das primeiras sessões de cinema, inventado há apenas dois anos na França, deu-se ali.

A cidade era capital do País em todos os verões e o Brasil entrou na Segunda Guerra Mundial por declaração assinada ali.

Ali estava o presidente da República para proibir a necropsia quando um dos maiores escritores europeus e sua mulher suicidaram-se e foram enterrados ali. E ali foi explicitada a um rabino a proibição presidencial de que os ritos finais da morte não fossem feitos no cemitério dos judeus no Rio.

Continua após a publicidade

Em Petrópolis, a 68 km do Rio, já foram tomadas grandes decisões, mas nem as eleições presidenciais serão mais importantes do que o inusitado plebiscito de 7 de outubro de 2018.

Que decidirá ou terá decidido o povo, na consulta popular agregada à votação que escolherá o próximo presidente da República?

O povo será consultado sobre o que fazer com outro ex-presidente da República, eleito e reeleito, que está na cadeia em Curitiba?

Ou o povo precisará decidir se deve ser condenada ou absolvida também a sucessora dele, deposta em rumoroso processo de impeachment há apenas dois anos? Quem sabe o povo será convocado a dizer o que se fará com o atual presidente da República, que era o vice da sucessora?

Não. Neste domingo, dia 7 de outubro, na mesma Petrópolis destes graves eventos, seus 243.659 eleitores responderão em plebiscito se 39 cavalos, que trabalham em sistema de rodízio puxando 13 charretes, continuarão a transportar os turistas que visitam a aprazível cidade serrana.

*Deonísio da Silva
Diretor do Instituto da Palavra & Professor
Titular Visitante da Universidade Estácio de Sá
http://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Continua após a publicidade
Publicidade