Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Turma da lona preta

Chefões do MST só viram de perto uma foice e um martelo em bandeiras comunistas

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 21h17 - Publicado em 22 nov 2016, 17h56

“Nesse contexto de golpe em que o país se encontra, estamos aqui para deixar claro aos parlamentares que o povo de Minas Gerais exige respeito à democracia, e que a receita nacional golpista não se aplicará em nosso Estado”. (Silvio Neto, coordenador do MST em Minas Gerais, num ato em defesa do (ainda) governador Fernando Pimentel, provando que a organização fora da lei chefiada por João Pedro Stédile está cada vez mais longe da zona rural e mais próxima do sistema penitenciário)

Publicidade