Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

#SanatórioGeral: Dupla personalidade

Marcelo Miller ensina num grupo de WhatsApp como não deve agir um integrante do Ministério Público Federal

Por Augusto Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 20h45 - Publicado em 14 set 2017, 16h26

“Meus caros, só quero recapitular aqui a outra ponta, a dos EUA. Amanhã vou para lá para ver o que arrumo. O jogo lá é diferente. É um sistema mais experiente e muito rigoroso. Ontem eu falei por telefone com os procuradores americanos, inclusive com o chefe da unidade de FCPA, para testar a temperatura. Ficou claro que é muito importante que o MPF sinalize para o DOJ que tem interesse especial nessas tratativas, para não cairmos na vala comum de ter de fazer toda a investigação interna ANTES de um acordo. (…) Se quiserem falar ou tirar alguma dúvida, estou às ordens”. (Marcelo Miller, ex-procurador da República, em mensagem enviada antes de desligar-se do Ministério Público Federal a um um grupo de WhatsApp do qual participavam os irmãos Joesley e Wesley Batista, revelando que quando diz que não faz jogo duplo está se referindo apenas à Loteria Esportiva, pois parou de apostar depois de descobrir fórmulas de enriquecimento rápido muito mais rentáveis)

Publicidade