Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

#SanatórioGeral: Doutor em nada

Haddad tenta provar num idioma ainda não catalogado pelos linguistas que Bolsonaro é mais perigoso que Lula

Por Augusto Nunes - 23 jul 2019, 21h25

“Os tucanos talvez não tenham compreendido a natureza do bicho que ajudaram a eleger. O obscurantismo de Bolsonaro é o necessário complemento espiritual do projeto ultraneoliberal que se desdobra no plano material. Um país tão desigual quanto o nosso que vê em mais desigualdade a chave da sua recuperação exige um ethos regressivo. Que só a unidade progressista poderá conter”. (Fernando Haddad, sem ocupação conhecida desde outubro, em sua coluna na Folha, tentando provar num idioma ainda não catalogado que o ethos regressivo de Bolsonaro é muito mais perigoso que o vício da ladroagem contraído por Lula)

Publicidade