Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

#SanatórioGeral: Doutor em coerência (2)

Gilmar Mendes (...)

Por Augusto Nunes - 10 jun 2017, 08h09

“Faz-se até uma estimativa um tanto quanto macabra de quantos parlamentares são cassados, de quantos vereadores, quantos prefeitos. O ministro Henrique nos contava que quando vai para o exterior é perguntado sobre isso, sobre quantos são cassados, e ficam eles assustados. Porque dizem: estão cassando mais do que a ditadura, e é uma Justiça que se pretende democrática”. (Gilmar Mendes, no julgamento da ação que investigou a chapa Dilma-Temer, explicando que as cassações ─ também votadas pelo presidente do TSE ─ são excessivas)

“As ditaduras cassavam e cassam quem defende a democracia. O TSE cassa aqueles que vão contra a democracia. É uma enorme diferença”. (Herman Benjamin, relator do processo, em resposta a Gilmar Mendes)

Publicidade