Clique e assine com até 92% de desconto
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

#SanatórioGeral: Chanceler de bolso

Mercadante defende a política externa que inclui entre seus melhores momentos a transformação da embaixada brasileira em Honduras na pensão de Manuel Zelaya

Por Augusto Nunes 4 nov 2018, 15h02

O Ministro Celso Amorim defendeu a democracia, a Justiça para Lula, construiu uma política  externa de inserção soberana do país, foi intransigente na defesa dos interesses nacionais estratégicos e deu uma imensa projeção e respeito internacional ao Brasil”. (Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação no governo Dilma, ao defender a política externa da canalhice gerenciada por Celso Amorim, que teve entre seus pontos altos a parceria do Brasil com a Libia de Muamar Kadafi e o Irã de Mahmoud Ahmadinejad, a submissão a ditadores companheiros como Fidel Castro ou Hugo Chávez e a transformação da embaixada em Honduras na pensão de Manuel Zelaya)

Publicidade