Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

#SanatórioGeral: Dilma voltou!

A doutora em nada explica em dilmês castiço que os vazamentos do Intercept podem ser importantes, irrelevantes ou explosivos

Por Augusto Nunes - Atualizado em 14 jul 2019, 22h41 - Publicado em 13 jul 2019, 22h40

Primeiro, se há… se há vazamento, foi um hacker. Foi um hacker. Mas, se há vazamento, e foi um hacker, o vazamento não tem tanta importância. Se há vazamento, foi um hacker, e o vazamento não tem tanta importância, o que que se faz? Se trata como? Se considera o quê? Ah… num tem, num… num… não podemu levar em conta. Ah, mas se tivermos, se for um vazamento, e tem importância, o que que acontece? Ah, foi em nome do combate à corrupção. Então esse raciocínio é uma bomba atômica em cima do sistema de Justiça desse país. Quem concordar com ele está… está condenando o Estado Democrático”. (Dilma Rousseff, depois de conversar com o ex-presidente presidiário em Curitiba, explicando em dilmês castiço que os vazamentos divulgados pelo site Intercept têm importância mas não têm importância, e podem virar uma bomba atômica se houver corrupção no meio do raciocínio)

Publicidade