Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Reynaldo-BH: O Brasil decente ganhou

REYNALDO ROCHA “Que seja lançado o nome do réu no rol dos culpados”. Pode ser que a prisão em regime semiaberto nem seja efetivada. Pode ser que tenhamos embargos infringentes dos embargos infringentes ou outra decisão derivada da situação (mais uma vez!) criada por Lewandowski. Assim como a Justiça Criminal pode, a partir de agora, ser […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 04h59 - Publicado em 14 nov 2013, 14h18

REYNALDO ROCHA

“Que seja lançado o nome do réu no rol dos culpados”.

Pode ser que a prisão em regime semiaberto nem seja efetivada. Pode ser que tenhamos embargos infringentes dos embargos infringentes ou outra decisão derivada da situação (mais uma vez!) criada por Lewandowski.

Assim como a Justiça Criminal pode, a partir de agora, ser qualquer outra coisa menos Justiça. Ou como (surpresa!) disse Barroso: um “carnaval de recursos”. Na falta de argumentos, contraprovas e defesas sólidas, apelou-se para as chicanas e filigranas, como assinalou Joaquim Barbosa.

Continua após a publicidade

Mas continuo otimista. Lutamos com o que temos. Comemoramos as vitórias que, se hoje são pequenas, podem ser um marco para o amanhã. Mantemos a dignidade exigindo que o Estado de Direito seja respeitado. Que a cidadania seja mais que um conceito que se jogou fora na era da mediocridade.

E por que o otimismo? Os mesmos nomes que constavam de decretos presidenciais de nomeações, de proposituras no Parlamento, nos convites oficiais, hoje estão lançados no rol dos culpados!

Eles não perceberam isso. A mediocridade e a ausência de ética política e humana desprezaram a condenação que envia o nome do culpado a uma lista de vergonha em cada canto do Brasil. Preferem ─ como a imoral lógica petista ensina ─ a vergonha a perder algo, seja uma pretensa batalha política, um projeto de poder totalitário ou simplesmente alguns centavos dos milhões roubados de todos nós.

A vergonha não está no cadafalso, mas nos motivos que levam alguém até lá. Os nomes dos quadrilheiros constam IMUTAVELMENTE no rol dos culpados. Fecha a biografia de canalhas.

Ganhamos. O Brasil decente ganhou.

Continua após a publicidade
Publicidade