Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quem quer intervenção militar busca o futuro no passado

No fim do século, milhões de venezuelanos acharam que o homem providencial apareceria nos quartéis. Apareceu o coronel Hugo Chávez

Por Augusto Nunes Atualizado em 24 out 2017, 21h32 - Publicado em 24 out 2017, 21h31

A menos de um ano da eleição presidencial de 2018, patrulhas formadas por guerreiros de redes sociais intensificaram o berreiro que reivindica uma “intervenção militar”. A mais recente ofensiva é ilustrada por imagens da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, ocorrida em março de 1964. Há 53 anos, portanto. Isso mesmo: cinquenta e três.

O ex-ministro Pedro Malan, um dos parteiros do Plano Real, sustenta que, nestes trêfegos trópicos, até o passado é imprevisível. A explicação pode estar nesses estranhos surtos de nostalgia que movem os partidários da intervenção militar. Para eles, o que aconteceu não tem o direito de descansar nos livros de História porque não é passado. É um exemplo imortal, que deve ser resgatado quando o presente é nebuloso e com ele moldar o futuro do país.

Antes de formular algumas perguntas aos órfãos de tutores fardados, um aviso a quem enxerga no debate político um furioso Fla-Flu: estarão perdendo tempo os que revidarem com insultos, ofensas e ilações cretinas. Não leio lixo. Mas examinarei com atenção e prazer argumentos capazes de desfazer interrogações relevantes.

Por exemplo: caso ocorra uma intervenção, quem será o interventor? Como será escolhido? Se a escolha já foi feita, por que não transformar o futuro interventor em candidato à Presidência da República? Todos sairiam ganhando. O homem providencial teria quase um ano para expor seu programa de governo, revelar os responsáveis por setores particularmente relevantes e provar que saberá dar um jeito no Brasil. Por seu turno, o povo teria a oportunidade de participar nas urnas da sagração do salvador da Pátria.

Enquanto as respostas não vêm, prefiro a intervenção popular, que se consuma com a arma do voto. Todos os problemas podem ser resolvidos com os instrumentos oferecidos pela democracia. E só marmanjos à procura de babás ignoram que simplesmente clamar por intervenções militares é perigoso.

No fim do século, por exemplo, milhões de venezuelanos rezaram pela aparição nos quartéis de alguém que os conduzisse no caminho do futuro. Apareceu o coronel Hugo Chávez.

Continua após a publicidade

Publicidade