Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para onde, Brasil?

Todos têm direito de dosar sua energia, mas confundir o destino do país com o seu líder abre um abismo com todos nós que precisamos olhar para frente

Fernando Gabeira

Como diz o coelho branco em Alice no País das Maravilhas: “Ai, ai! Vou chegar atrasado.” No país real, estamos atrasados em relação aos rumos do país. As eleições estão próximas. Normalmente, começam mesmo depois da Copa. Mas, antes, deveria ser iniciada uma temporada de debates não só entre os candidatos.

Num contexto mais favorável, a discussão em torno dos rumos do país deveria ser feita com o máximo de cordialidade possível.

Como se nesse campo pudéssemos adotar a visão de Diderot. Segundo ele, cada um tem a sua verdade, mas não importa quem vença ou ganhe, mas sim que após a discussão reine a paz entre os interlocutores. Traduzindo para a linguagem mineira: um debate onde as ideias briguem, mas as pessoas não.

O episódio da prisão de Lula foi muito dramático. Um amigo lembra que, na mesma semana, foi presa a ex-presidente da Coreia do Sul Park Geun-hye. Houve manifestações, mas ela não fez discurso, dispensou visitas e falou apenas com os advogados.

A Coreia do Sul, com bons índices de crescimento, talvez seja mais tranquila, porque com a prisão de Geun-hye já é o terceiro ex-presidente a ir para a cadeia.

Tive contato com a sabedoria hebraica lendo, para prefaciá-lo, um livro de Nilton Bonder em que ele tenta aplicar esses ensinamentos para se entender os atores políticos.

O ensinamento mais amplo da sabedoria hebraica, preservado segundo os estudiosos em várias Bíblias, é o fato de que não se deve curvar para os ídolos, pois isso nos faz perder o que há de melhor em nossa natureza.

Essa ideia é tão forte que teria até influenciado o marxismo na sua crítica cultural ao capitalismo. Só que a perda de si no outro, nessa visão marxista, não se dá necessariamente diante de ícones religiosos, mas diante do mundo cintiliante das mercadorias, o império dos objetos. Seus conceitos são mais complicados: alienação, reificação.

No momento em que deputados e senadores do PT querem fundir seu nome com o de Lula, pergunto-me se com isso não estão perdendo o melhor de si, que é a possibilidade de debater o mundo real, as dificuldades que o país atravessa.

Todos têm direito de dosar sua energia como quiserem, mas confundir o destino do país com o seu líder abre um abismo com todos nós que precisamos olhar para frente.

Necessariamente, as ideias de esquerda não são melhores. Meu ponto é outro: com todas as correntes dando o que há de melhor para acharmos o caminho, as chances de acerto são maiores.

Existe também um grande campo em que, para além das lutas identitárias, podemos elaborar políticas nacionais urgentes. O de saneamento básico é um deles. A escassez hídrica, outro.

Divergências devem surgir em alguns campos também vitais, como educação e segurança pública.

Ao contrário de um debate sobre uma eleição que se aproxima, as emoções dominam, estamos às voltas com ídolos. Se o processo continua nesse tom ditado pelos extremos o desfecho é perigoso. Pessoas que se perdem costumam ser levadas para o pior dos caminhos.

Compreendo o fascínio do momento. Todas as noites alguém entrando ou saindo da cadeia, imagens do coronel Lima em cadeira de rodas, lá vai o Rodrigo Loures correndo de novo com sua mala, os milhões do Geddel, o locutor de rádio anunciando que Sérgio Cabral também tomou café com pão e manteiga pela manhã.

Mas, como diz o coelho branco: “É tarde, é tarde.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Lula se coloca como uma idéia superior à própria ideologia marxista. Esta é a grande contradição dos socialistas atacados pelo virus do lulismo. Assijm, fica difícil entender como pessoas inteligentes cedem aos encantos de um coronelzinho de meia tigela.

    Curtir

  2. Um texto instigante. Pra início de conversa, os novos lulas não perderão nada de si, porque na verdade não têm nada em si. Há muito tempo que Lula passou a ser o próprio PT, ou mesmo a própria esquerda. Desde que conquistou sua primeira presidência, todo o resto se anulou ou se corrompeu. Alguns saíram para tentar manter identidade própria, mas ão escaparam da sombra do ídolo e de suas benesses.

    Curtir

  3. E o momento é de polarização nos extremos, realmente. Mas esse é um roteiro histórico inevitável. A extrema esquerda naufragou e se revelou antes de obter controle total, e não conseguiu evitar que sua face horrenda fosse vista por trás da máscara. O terror da visão fomentou a reação de sobrevivência de quem ama a liberdade, que viu no outro extremo a única força capaz de se contrapor (de fato, é). E o mítico confronto entre o bem e o mal se reiniciou. Quem quer que vença, há indícios de que não haverá paz até que um centro forte, e não comprometido, se imponha. Algo semelhante ao que aconteceu de 1964 a 1985. O regime forte do novo período de trevas poderá ser de direita ou de esquerda. Outubro dirá. Eu aposto na direita.

    Curtir