Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Para o governo brasileiro, o regime bolivariano é o menor de idade do continente: pode cometer qualquer crime sem ser punido

PUBLICADO EM 2 DE MAIO DE 2013 Na sessão de 16 de abril, como atesta o vídeo acima, o presidente do Congresso venezuelano, Diosdado Cabello, mostrou como funcionam as coisas na peculiar democracia bolivariana: os deputados oposicionistas que contestavam a vitória de Nicolás Maduro só teriam direito à palavra caso reconhecessem a legitimidade das eleições […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 31 jul 2020, 06h20 - Publicado em 2 Maio 2013, 17h02

PUBLICADO EM 2 DE MAIO DE 2013

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=3TRRaxh0loQ?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&w=425&h=344%5D

Na sessão de 16 de abril, como atesta o vídeo acima, o presidente do Congresso venezuelano, Diosdado Cabello, mostrou como funcionam as coisas na peculiar democracia bolivariana: os deputados oposicionistas que contestavam a vitória de Nicolás Maduro só teriam direito à palavra caso reconhecessem a legitimidade das eleições fraudadas. A pancadaria ocorrida na sessão desta terça-feira, documentada pelo vídeo abaixo, mostra o que acontece a quem não se dobra a decisões absurdas..

http://videos.abril.com.br/veja/id/b15dcb90ce4026524db9d0cc3172c599?

Continua após a publicidade

Durante a sessão convocada para aprovar a arbitrariedade decretada por Cabello, adversários do chavismo protestaram com gritos, assobios e  uma faixa com os dizeres “Golpe al Parlamento”. A manifestação desencadeou a fúria da bancada majoritária, origem da troca de socos qu resultou em pelo menos sete feridos ─ todos oposicionistas.  A deputada Maria Corina Machado, por exemplo, foi hospitalizada com uma fratura no nariz. Mas as vítimas da agressão não capitularam.

“Podem nos colocar na cadeia, podem nos matar, mas princípios não se vendem”, avisou o deputado Julio Borges. “Vamos continuar participando da Assembleia Nacional”, emendou  o deputado da oposição Carlo Ramo no Twitter. “Vão nos tirar feridos ou como quiserem, mas vamos continuar presentes”. Tampouco o ex-militar Cabello, um velho devoto do cadáver insepulto que de vez em quando vira passarinho, admite a hipótese do recuo. Com o cinismo habital, atribuiu as agressões às próprias vítimas da violência.

Em fevereiro de 2010, por exemplo, multidões inconformadas com as patifarias que viciaram a escolha do presidente expuseram-se nas ruas do Irã à truculência do Exército regular e à cólera das milícias a serviço dos aiatolás . O mundo civilizado comoveu-se com a coragem das multidões de manifestantes anônimos. Lula enxergou algo parecido com um jogo de futebol.

Primeiro, comparou os atos de protesto à reação de torcedores que não aceitam a derrota do time. Depois, exigiu respeito ao placar criminosamente adulterado. Nos meses seguintes, oposicionistas que não seguiram o conselho de Lula foram torturados e mortos. O estadista brasileiro não viu nada demais. No fim do ano, recepcionou Mahmoud Ahmadinejad com honras de estadista.

Continua após a publicidade

O respeito pelos resultados oficiais é prontamente revogado se o vitorioso não pertence à seita. Em outubro de 1998, por exemplo, Fernando Henrique Cardoso impôs a Lula outra surra nas urnas, de novo no primeiro turno. Mal iniciara o segundo mandato quando o deputado federal Tarso Genro, em nome do partido, propôs a deposição do presidente reeleito e a convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte.

“Fora FHC!”, berrava a palavra de ordem que o golpista militante tentou justificar num artigo publicado em janeiro de 1999 pela Folha de S. Paulo. “O presidente está pessoalmente responsabilizado por amparar um grupo fora da lei, que controla as finanças do Estado e subordina o trabalho e o capital do país ao enriquecimento ilegítimo de uns poucos”, delirou o agora governador gaúcho, que sempre viu com muito entusiasmo o progressivo desmonte do Estado de Direito na Venezuela.

Como Tarso Genro, o governo brasileiro vê no regime bolivariano um bom companheiro. Deve ser tratado como o menor de idade do continente, e cometer qualquer crime sem ser punido.

Publicidade