Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O reitor da UFRJ enxergava no Museu Nacional um palácio de senhor feudal

Quem seria Roberto Leher?, perguntaram-se milhões de brasileiros inconformados com o absurdo assassinato do passado

Por Augusto Nunes - 6 set 2018, 18h30

Militante do PSOL e reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Roberto Leher começou a viver sua semana de má fama no domingo, quando as chamas que consumiram o Museu Nacional iluminaram a figura de um dos principais arquitetos da tragédia. Cabia à reitoria da UFRJ cuidar da preservação dos tesouros acumulados na Quinta da Boa Vista ao longo de 200 anos. E o museu morreu de abandono.

“Quem seria Roberto Leher?”, perguntaram-se milhões de brasileiros inconformados com o absurdo assassinato do passado. O enigma começou a ser desfeito nesta quarta-feira por um vídeo com menos de meio minuto. Esse curto espaço de tempo é suficiente para escancarar a imensa idiotia do reitor.

“Eu apoio o MST e apoio com muita convicção”, afirma Leher. “É um movimento que resgata as lutas do campo, aponta para um projeto generoso de nação e, sobretudo, um projeto que tá pulsando cultura, arte, ciência e tecnologia. Contribuições do movimento sem-terra para a educação brasileira são inestimáveis. Por todos esses motivos, com orgulho, apoio e apoiarei o MST”.

Continua após a publicidade

Essa sopa de letras inúteis ajuda a entender a hostilidade devotada por Roberto Leher ao museu bicentenário. Quem apoia o MST com orgulho tem a cabeça estacionada em algum momento situado entre os séculos V e XV, quando prevaleceu, sobretudo na Europa, o regime feudal. Como todo discípulo de João Pedro Stédile, o reitor continua empenhado na guerra de destruição do feudalismo. Essa guerra se destina a libertar os servos dos grandes proprietários de terras.

Roberto Leher enxergava na Quinta da Boa Vista o palácio do senhor feudal Dom João VI — e um latifúndio a ser invadido pelos servos agrupados no MST. Velha de muitos séculos, a cabeça do reitor é extraordinariamente mais antiga que o Museu Nacional. Ele deve achar que 200 anos de História são pouco mais que nada.

Publicidade