Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O que realmente move a economia não é o consumo. É a poupança

O comentarista João enviou um texto sobre a economia brasileira que merece ser exposto nesta Feira Livre. Confiram: O que está sendo feito no Brasil é uma versão piorada das políticas econômicas dos países pelo mundo. O problema reside no fato de que damos a uma entidade o poder de imprimir dinheiro e se endividar, […]

O comentarista João enviou um texto sobre a economia brasileira que merece ser exposto nesta Feira Livre. Confiram:

O que está sendo feito no Brasil é uma versão piorada das políticas econômicas dos países pelo mundo. O problema reside no fato de que damos a uma entidade o poder de imprimir dinheiro e se endividar, esperando que, um dia, essa mesma entidade pague as contas. Para desenvolver a economia, foram criados mecanismos de financiamento e concessão de crédito tão complexos que nem mesmo muitos economistas conseguem entender direito. Não há como evitar que o dinheiro chegue primeiro a quem tem informações privilegiadas ou tem boas relações com quem fornece esse dinheiro.

Como a conta não pode ser paga, ela é novamente rolada. É uma bola de neve, que levará a uma catástrofe econômica inevitável. Pode levar muitos anos, mas ocorrerá um dia. Basta analisar as dívidas públicas pelo mundo afora. Elas podem ser pagas? Como? Que país na Europa conseguiria implementar as reformas de desestatização necessárias para possibilitar o pagamento da dívida? O povo aceitaria ter pago impostos por décadas e, no final das contas, ver toda a estrutura criada com esse mesmo dinheiro ser desfeita porque não há mais dinheiro para a manutenção?

O maior erro da economia mundial é a ideia ridicula de que é possível gerar riqueza imprimindo quantidades obscenas de dinheiro. O que realmente move a economia não é o consumo, mas a poupança, ou seja, o dinheiro que realmente existe na economia. O cidadão poupa, e esse dinheiro poupado pode ser usado para investimentos. A riqueza é gerada com a aplicação correta do investimento na otimização dos recursos. Por exemplo, você pode comprar todos os ingredientes de um chip de computador e dar para um cavalo comer, ou criar um chip de computador. É claro que a última opção é a que gera riqueza verdadeira.

O que os governos fazem, atualmente, é gerar dinheiro através do endividamento. Com isso, tem-se a ilusão de que há mais recursos na economia do que os realmente existentes. Esse dinheiro ajuda quem tem melhores ligações com os governos. Ocorre um desequilíbrio na economia. Ao mesmo tempo, há o crescimento artificial da oferta monetária, ou seja, uma bolha. O resultado lógico é a explosão dessa bolha, já que é impossível uma economia crescer constantemente por longos períodos.

Isso dependeria de uma aplicação correta dos recursos o tempo todo, coisa que não ocorre. Para piorar, o dinheiro chegou primeiro na mão de quem sabia como obter o dinheiro (e não de quem poderia usar melhor esse dinheiro). O que seria uma recessão – processo natural de ajuste da economia quando maus investimentos deixam de ser sustentáveis – passa a ser visto como um grande problema. Para salvar a economia dos maus investimentos, injeta-se mais dinheiro na economia!

Por que o Brasil é uma versão piorada dessas políticas econômicas? A corrupção no Brasil faz a Grécia parecer um país de clones da Madre Teresa de Calcutá. O apadrinhamento e o uso de cargos públicos como cabide de empregos para satisfazer a sanha dos partidos é notória. Na Europa, a descoberta de um escândalo de corrupção pode realmente levar a um problema para os políticos. No Brasil, praticamente nada acontece. Ou seja, na política do Brasil, há muito espaço para maracutaias, negociatas, dinheiro fácil para empresários com boas ligações com o governo.

O PSDB não é tão diferente, mas o PT é simplesmente apaixonado pelo arranjo empresas+governo. Esse arranjo é até visto como algo positivo por muita gente! A cereja do bolo no Brasil é a imensa vontade que o brasileiro tem de se iludir. O brasileiro não gosta de confronto. Prefere fingir que está tudo bem. É muito resistente a críticas. Enxerga os críticos como pessimistas de plantão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    João

    Só para constar: eu não sou economista, estou simplesmente me esforçando para entender mais o assunto. O que eu fiz foi simplesmente aplicar um pouco da lógica da teoria austríaca de economia, que é, para mim, a que mais faz sentido, pois não se utiliza de exotismos.
    E sobre o Japão: não estou afirmando que a poupança é a solução para tudo. Por exemplo, um país com um déficit fiscal continua tendo problemas, uma vez que a poupança acaba sendo consumida pelo próprio governo para cobrir seus déficits. Resumindo: a poupança move a economia… desde que o estado não a gaste.
    Tua contribuição foi excelente, caro João. Tanto que provocou um debate muito saudável. Abração.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Rodrigo

    Augusto, há um site dedicado ao estudo da teoria austríaca da economia: http://www.mises.org.br

    Curtir

  3. Comentado por:

    verdade doi

    A poupança tem seu lado bom se fosse dar origem a créditos a base de 100% de depósitos. Mas os depósitos servem de pretexto para as reservas fracionárias do nada, as quais os banqueiros usam, gratuitamente, a fim extorquir os títulos públicos do Estado; o qual paga principal mais juros SELIC pelo dinheiro fictício, para emitir moedas de verdade.
    Ou seja o banco entra com a cara e o estado com a curagem.

    Curtir

  4. Comentado por:

    f tavares, na resistência

    – joão, 12:01h de ontem,
    claro que exagerei em minha argumentação, dramatizando alguns aspectos subsidiários da tese que você nos apresentou. mas a verdade é que os americanos vivem rodando a guitarra e continuam sendo a maior economia do mundo, têm uma credibilidade insuperável e o mundo todo segue acreditando que eles vão sair bem da crise por isso. atualmente o tesouro americano remunera investimentos com zero de rentabilidade, a china guarda três trilhões de dólares em títulos do tesouro americano, o brasil guarda trezentos bilhões de dólares e o mundo todo sabe que é lá que tem que deixar as reservas. se vazar um boato de que vai passar a 0,5% ao ano de juros, enche os cofres. a moeda americana é a moeda global, infelizmente pro mundo, e a fábrica está nos EUA. eles sabem que não precisam poupar, fizeram a opção pelo consumo e deu certo, estão crescendo a 4% a.a. mas não podem transferir sua produção de bens e serviços para o exterior, comprar pronto, quer dizer, a economia americana, com boa gestão, pode repetir o desempenho da indústria automobilística de lá, que se renovou na crise, enxugou oe exageros e está recuperada. a crise da economia mundial não está na emissão de moeda, mas na criação de “produtos” de alto risco no mercado financeiro sem regras e fiscalização, de tal forma que as seguradoras passaram a ser os maiores financiadores nos EUA e na europa. tem um erro aí, porque isso é papel dos bancos. passaram a denominar “correntes” de “bolhas”, e produziram papéis – aí você tem razão, mas não é emissão de moeda – que agregavam valor a cada mudança de mão. multiplicaram a base monetária por sei-lá-quanto, mas não foi por emissão, de certa forma até chegou a ser pela… poupança! o resultado foi o que se viu…

    Curtir