Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O naufrágio do vice-almirante que tripulava roubalheiras nucleares tirou o sono do comparsa que acabou de assassinar a CPI

No relatório que desmoralizou de vez a infame CPI que fingiu investigar a Petrobras, o deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ) absolveu os criminosos, condenou os homens da lei e se declarou indignado com o que considera “excesso de delações premiadas” ocorridas na Operação Lava Jato. É compreensível que o relator de araque ande atravessando madrugadas […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 00h16 - Publicado em 21 out 2015, 19h28

No relatório que desmoralizou de vez a infame CPI que fingiu investigar a Petrobras, o deputado federal Luiz Sérgio (PT-RJ) absolveu os criminosos, condenou os homens da lei e se declarou indignado com o que considera “excesso de delações premiadas” ocorridas na Operação Lava Jato. É compreensível que o relator de araque ande atravessando madrugadas assombrado por gente que, para escapar de punições mais salgadas, topa contar tudo o que sabe. É natural que não pare de pensar em Curitiba.

Luiz Sérgio, constata o comentário de 1 minuto para o site de VEJA, não dorme direito desde julho passado, quando foi preso pela Polícia Federal o vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva. Nomeado por Lula em 2005, o militar de 76 anos presidiu a Eletronuclear até abril. Nesse período, sem desativar sua “empresa de consultoria”, reativou as obras da usina de Angra, refez os contratos com empreiteiras que no momento chapinham no pântano do Petrolão e embolsou propinas que somam pelo menos R$ 4,5 milhões.

Nesse mesmo espaço de tempo, Othon estreitou as relações suspeitíssimas que mantém com Luiz Sérgio desde os anos 80. Eles se conheceram quando o oficial da Marinha especializado em engenharia nuclear servia ao regime militar e o dirigente sindical rezava no altar do PT. Descobriram que haviam nascido um para o outro depois que Luiz Sérgio se elegeu prefeito. Os laços ficaram mais sólidos a cada campanha eleitoral. E viraram amigos de infância quando o deputado pousou no primeiro escalão do governo Dilma.

No Ministério de Relações Institucionais e no da Pesca, Luiz Sérgio ficou famoso pelas cenas de sabujice explícita com que costuma reverenciar os chefes da seita. Esse traço de caráter não parecerá mais repulsivo que o prontuário depois de incorporadas as anotações que estão faltando. Se o vice-almirante revelar tudo o que fez junto com o deputado, a dupla terá tempo de sobra para colocar a conversa em dia no pátio de uma cadeia.

http://videos.abril.com.br/veja/id/c9965872197a18be6069f005a3313895?

Continua após a publicidade
Publicidade