Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O ministro fora-da-lei conseguiu ser condenado pela comissão que absolve até serial killer de filme americano

As reuniões mensais da Comissão de Ética Pública da Presidência da República sempre mereceram dos inquilinos do Palácio do Planalto e da Esplanada dos Ministérios a mesma atenção que os hóspedes de um presídio de segurança máxima dispensariam às aulas de  um curso de boas maneiras. Nenhuma. Desde a sessão inaugural ocorrida em 2000, os […]

As reuniões mensais da Comissão de Ética Pública da Presidência da República sempre mereceram dos inquilinos do Palácio do Planalto e da Esplanada dos Ministérios a mesma atenção que os hóspedes de um presídio de segurança máxima dispensariam às aulas de  um curso de boas maneiras. Nenhuma. Desde a sessão inaugural ocorrida em 2000, os sete integrantes do grupo jamais conseguiram enxergar bandidos por perto. Se não viram nada de mais no que fizeram os cinco ministros despejados por envolvimento em falcatruas denunciadas pela imprensa, certamente enxergariam no prontuário de Carlos Lupi uma folha de serviços prestados à nação, certo? Errado, descobriram nesta quarta-feira os padrinhos e comparsas do ministro do Trabalho.

Enquanto a comissão tratava do caso numa sala do Anexo 1 do Planalto, os participantes da ofensiva dos cafajestes davam por consumada a condenação de Lupi à impunidade perpétua. “É preciso acabar com essa onda de denuncismo”, decidiu José Dirceu. “Denuncismo hipócrita”, sublinhou o decano dos jornalistas estatizados. Um colunista federal lembrou que Dilma é “incorruptível”. Rui Falcão, presidente do PT, caprichou na pose de magistrado para emitir seu parecer: “Vendo o teor das denúncias, não vi razão para substituí-lo. Não tem nenhuma denúncia comprovada”. Gilberto Carvalho concordou: “O Lupi continua ministro, a vida segue. Para nós, o assunto está encaminhado”.

A conversa fiada foi para o espaço no fim da tarde, quando o canastrão apaixonado conseguiu ser declarado fora-da-lei pelo que parecia, até agora, o júri dos sonhos de qualquer serial killer de filme americano. Por unanimidade, a comissão presidida pelo jurista Sepúlveda Pertence, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, decidiu pedir a Dilma Rousseff a pronta exoneração do canastrão apaixonado. A decisão foi tomada depois de examinadas as explicações oferecidas por Lupi para as irregularidades registradas em convênios celebrados com ONGs e entidades sindicais. “As explicações não foram satisfatórias”, resumiu Pertence. “Houve uma resposta inconveniente para um ministro de estado”.

Nesta quinta-feira, antes de embarcar rumo à Venezuela, Dilma ordenou à chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que solicitasse da comissão o envio dos “elementos que embasaram a decisão e a sugestão encaminhada à Presidência”. Sepúlveda deveria recomendar a Dilma a leitura dos jornais e revistas, ou perguntar-lhe se quer informações sobre os convênios ilícitos ou também gostaria de conhecer melhor a história do funcionário fantasma. Em vez disso, fingiu ver na manobra protelatória um sinal de interesse. Deveria ter-se demitido imediatamente. Preferiu renunciar à vergonha.

Dilma repetiu que vai resolver o problema sem pressa. Soterrada por provas e evidências contundentes de que Lupi é um criminoso comum, quer arrastar o morto-vivo até janeiro, quando deverá ocorrer o que os paspalhos do Planalto batizaram de “reforma ministerial”. Se o quadrilheiro do PDT continuar no emprego, dezembro de 2011 será lembrado como o mês em que o respeito à lei e aos códigos morais foi oficialmente revogado pela presidente da República.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    João Batista

    LUPI VAI FAZER ACORDO DE DELAÇÃO PREMIADA.
    Lupi tem vários dossiêis preparados para detonar todos. Olha que ele tem sangue Italiano e sabe tudo sobre vinganças.
    Vai mandar o motoboy levar peixe enrrolado em jornal para seus (Amigos)que deixaram ela sair como ladrão sozinho.

    Curtir

  2. Comentado por:

    bruno

    O Brasil é Governado por imbecis e gente desprovido de carater…..o povo escolheu e agora sofre as consequencias. E ela ainda é bem avaliada nas pesquisas. O povo merece……

    Curtir

  3. Comentado por:

    rita

    Chhhiiii…O boizão
    (Dilma) empacou de vez.

    Curtir

  4. Comentado por:

    cristina

    O enredo dentro de outro enredo. Inception . Piaf canta – Non, Je ne regreet rien . Polanski e o livro. O lugar comum e a história incomum. São dois filmes e como Hitchcok situaram o momento do filme na arquitetura possível .
    Melhor que matrix. Na origem, os sonhos não são oníricos (Fellini ) são ambientes caracterizados pela concretude da arquitetura. Seja no ambiente urbano, bulletes on the boulevard – que nos leva a uma música do Green Day : boulevard of brokem dreams- até a queda da van na ponte – que funciona como um metrômetro – que nos leva ao lobby de um hotel que nos leva ao drama de Leonardo que nos leva a uma paisagem fria que nos leva a maquetes da cidade de arquitetos. E o peão gira no cofre , o filme, o peão gira na mesa. Lar.
    Uma ilha . Os elementos narrativos da história se apresentam como situações cotidianas que todos percebem mas não damos a devida importância. Numa balsa, um carro esquecido e a imagem não se explica é passageira e esquecida. A esposa diz :A praia de Elba. E aos poucos , a identificação do real acontece com o personagem de Ewan que emite aqueles julgamentos morais silenciosos do dia a dia que todos temos perante o outro. Ewan observa um chinês varrendo a areia na entrada da casa numa ilha que venta muito. Ou encontra a esposa do chinês – uma chinesa – pede um lanche, tenta conversar alguma coisa e a empregada continua a limpeza na cozinha. Ewan resolve sair de bicicleta e o chinês lhe empresta o gorro. Ewan anda um pouco. Cheira o gorro. Chove. Resolve colocá-lo na cabeça. No lar – um castelo contemporâneo (que casa linda) – no confinamento , os personagens saem do exílio ou da situação onírica pela mídia que anuncia o enredo político e os motivos para que todos possam cumprir os seus papéis. Ou seja, a partir das imagens do exterior que todo o drama do filme acontece . Depois , Polanski filma a burocracia do filme.

    Curtir

  5. Comentado por:

    JULIANO

    Agora vamos esperar o proximo a cair se vai ser do PT ou da base comprada

    Curtir