Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O looping do Cristo Redentor revoga a decolagem que não houve

O BRASIL DECOLA, equivocou-se a capa da revista  The Economist em novembro de 2009. Sempre surfando na marolinha imaginária, o presidente Lula promoveu a publicação inglesa a porta-voz do planeta e juntou a reportagem à papelada que justificaria o registro em cartório do Brasil Maravilha. Ao longo de 2012, The Economist tratou de reparar o escorregão triunfalista. […]

O BRASIL DECOLA, equivocou-se a capa da revista  The Economist em novembro de 2009. Sempre surfando na marolinha imaginária, o presidente Lula promoveu a publicação inglesa a porta-voz do planeta e juntou a reportagem à papelada que justificaria o registro em cartório do Brasil Maravilha.

Ao longo de 2012, The Economist tratou de reparar o escorregão triunfalista. Debochou das previsões pilantras de Guido Mantega, recomendou à presidente Dilma Rousseff que fizesse imediatas correções de rota na política econômica, espantou-se com a incompetência dos tripulantes. Mas só agora a ficha caiu, informa a capa da mais recente edição.

O BRASIL ESTRAGOU TUDO?, pergunta The Economist.  O tremendo looping do Cristo Redentor avisa que, quase quatro anos depois da decolagem que não houve, os editores da revista descobriram que a potência emergente sul-americana só existiu na cabeça baldia do maior dos governantes desde Tomé de Souza.

É nisso que dá acreditar no quer Lula diz.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Brasilino Brasa

    Bem interessante a postagem de JZ – 27/09/2013 às 17:16. Nada inventado, mas a única crítica que faço é referente aos “DONOS” da ONU. Os membros do Conselho Permanente que o Brasil quer fazer parte e evidentemente os EUA não concordarão. Está mais do que claro que o ditador sírio comprou o veto da Rússia e sua proteção contra o ataque nas nações unidas pelo uso de armas químicas contra seu povo, o que é considerado um crime de guerra. O relatório da ONU e a reação da Síria, entregando seu estoque desse tipo de arma, apesar de ser um atenuante, não faz desaparecer as mortes e o grande número de mulheres e crianças vítimas de seu gás sarin. Cabe, portanto, uma ampla discussão sobre os limites deste Conselho Permanente. As nações mais poderosas são os que tem o poder de veto, mas isso não representa que esteja havendo ponderação e controle sobre as ações da ONU. Da forma que está e para onde evolui o melhor seria se acabar com tal Conselho e que todos tenham direito a seu voto que vença a decisão da maioria.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Jack Big

    Oh! my god.
    Uma confissão inesperada. Talvez indevida, que o blogueiro deva suprimir.
    Que sais-je?
    Meu verdadeiro e último sonho de consumo?
    Uma noite de amor com dilma rousseff, tendo lula de mordomo – assistido, em nossas infindáveis comandas, por marisa e rosinha, aquela do birô de São Paulo.
    Ah! Depois de 73 anos pagando impostos no
    Brasil – e nos últimos 10 anos só pra sustentar a petralhada! – penso que mereço.
    Ah! Eu mereço.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Ana Lu

    Por causa desta capa em Nov. de 2009 é que parei de assinar a revista The Economist… Ela estava comprando o peixe do Moluscanalha demais! Mas, finalmente o pessoal acordou por lá pela redação, e eles resolveram pesquisar melhor a situação do Brasil…e se redimiram dos anos de publicações fajutas e manipuladas publicando um especial “sobre o Brasil, com 14 páginas!

    Curtir