Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O foguete de Chico Anysio, o fiasco sideral em parceria com a China e a missão em Marte do astronauta Lula

ATUALIZADO ÀS 20H03 O áudio de 3:58 prova que o Brasil já soube contemplar-se com ironia e rir de si próprio, duas virtudes que o livraram de descambar para o terreno do ridículo e virar motivo de galhofa. Gravado nos anos 70, Chico Anysio conta o que aconteceria se algum governo megalomaníaco resolvesse introduzir o […]

ATUALIZADO ÀS 20H03

O áudio de 3:58 prova que o Brasil já soube contemplar-se com ironia e rir de si próprio, duas virtudes que o livraram de descambar para o terreno do ridículo e virar motivo de galhofa. Gravado nos anos 70, Chico Anysio conta o que aconteceria se algum governo megalomaníaco resolvesse introduzir o país na era espacial com o lançamento de um foguete. As gargalhadas coletivas da plateia endossam a narrativa do grande humorista.

Neste 9 de dezembro, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais e Academia Chinesa de Tecnologia Espacial se juntaram de novo para o lançamento do satélite CBERS-3 (sigla em inglês para Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres). O foguete de Chico Anysio não consegue subir na hora prevista. O colosso produzido em parceria decolou com três anos de atraso. Meia hora depois, o foguete lançador chinês Longa Marcha 4B se desintegrou antes de entrar em órbita. E arrastou na queda o satélite ambiental brasileiro CBERS-3.

O País do Carnaval torrou no empreendimento mais de R$ 300 milhões. A conta não inclui a gastança da comitiva que baixou na China liderada por dois ministros: Paulo Bernardo (Comunicações) e Marco Antonio Raupp (Ciência e Tecnologia), que voltaram para o Brasil em silêncio. Falou por eles um comunicado do INPE.​ Ainda não foi identificada a causa do malogro, mas os parceiros continuam sonhando com a conquista do espaço.

“Para assegurar o cumprimento dos objetivos do programa CBERS, Brasil e China concordaram em iniciar imediatamente discussões técnicas visando a antecipação da montagem e lançamento do CBERS-4″, avisa um trecho da nota. Três satélites sino-brasileiros estão em órbita. O último transformou em profecia a piada de Chico Anysio.

Ao ler o post, o jornalista Celso Arnaldo Araújo socorreu o colunista com algumas correções, já incorporadas ao texto, e o comentário que se segue: “Acho que o foguete brasileiro imaginado pelo Chico era mesmo um legítimo Ching-Ling”, escreveu Celso Arnaldo. “Mas este não era nosso. O nosso, em meu sonho, teria Lula lançado em missão one-way a Marte onde, ao chegar, ele diria: ‘ Nunca antes neste planeta…’”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Tony

    Essa história nunca estará bem contada sem uma introdução lembrando da já distante história do VLS que, se não me engano, foram torrados 3 nos lançamentos.
    Detalhe, tentaram lançaram os foguetes definitivos, inclusive com os satélites embarcados, sem nunca terem feito um lançamento teste. Cada um foi o primeiro vôo, que fracassou. Salvo o terceiro, que queimou junto com toda a torre de lançamento sem sair do chão.
    É o mais perfeito retrato de nosso país e do povo que aqui vive.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Renato

    Com a ajuda de guajajaras e “quilombolás” subsidiados pelos “amigos franceses” que sabotaram a base de Alcântara, falta dizer. Claro, nada de concorrência com Kourou…

    Curtir

  3. Comentado por:

    estevan natolo junior

    Augusto, nos anos 70, eu ganhava um “troco” como músico de baile e tive o privilégio de em alguns deles contar com shows do Chico Anísio. Esta pequena história do “foguete brasileiro” era uma das favoritas do Chico. Naquela época o pessoal que hoje está no poder, estava sumido ou preso e curtia muito estas piadas e o humor crítico que o Chico e outros humoristas faziam com os que estavam naquele momento no poder. Ironia do destino ou sei lá o quê, hoje a piada cabe direitinho no atual contexto e o que é pior, com o objeto, no caso o foguete, de forma real e com parceria chinesa e assim como toda as porcarias que eles mandam pra gente, o “caramuru chinês”, falhou! Não existem: direita e esquerda no Brasil, existem dois tipos de nacionalismo de estado que não conseguem conviver democraticamente defendendo os seus conceitos e modelos, mas sim para dividir a receita pública e poder, como agora com a junção do PMDB e outros partidos iguais com a negada do PT e como na piada do Chico, nós pagamos a conta, não fazemos nada e ainda rimos, como no tempo dos milicos. Detalhe: desta vez pode durar muito e a conta ser maior que a deixada pela outra turma.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Igor

    É no que dá comprar foquete ching-ling!
    Que gastou o dinheiro devia ser enclausurado por burrice. Como é que alguém pode ser tão burro?

    Curtir

  5. Comentado por:

    Batista

    Augusto, a respeito do mesmo assunto, vale a pena ver uma reportagem que saiu na revista Info deste mês intitulada: “O QUE ACONTECEU COM A BASE DE ALCÂNTARA?”
    A empresa pública Alcântara Cyclone Space deveria operar desde 2009. Mas um esqueleto de ferro é tudo o que foi erguido até agora.
    Segundo a reportagem, mais de R$500 milhões foram gastos no base de Alcântara e tudo está abandonado. Mais uma “grande obra” do governo!!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Leonardo X

    Augusto, que bom ouvir os irmãos Caruso, o Chico Anysio e ler mais um de seus textos, meu caro especialista em tirar o “manto diáfano da fantasia” da sinistra irmandade petralha. Érico Veríssimo dizia que “há ocasiões em que nem é o amor que nos salva; é o humor”. E esse humor está fazendo falta ao país. Um amigo meu diz que “o Brasil não tem esquerda; tem canhota”. Uma canhota manca, barriguda e papuda, ele deveria ter acrescentado. E voraz. Como ela é voraz!

    Curtir

  7. Comentado por:

    Alvaro

    O prejuízo não deve ter ficado só nos 300 milhões citados. Quanto os “cumpanhêro” levaram de comissão? É só investigar que descobrem maracutaia, pois não há nada feito pelo PT que seja isento de ladroagem.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Valentim-Pr

    Ainda tem aquela porcaria de refinaria
    nos USA que o gabrielli comprou e não
    presta pra nada. Torrou 1.200 bi e
    pelo menos até agora, não aconteceu nada
    com o petralhão. Se tivéssemos uma lei
    para todos, o meliante já estaria na
    Papuda com a tchiurma toda da PTBRÁS.
    Onde foi parar o dinheiro…?
    Fora petezada, cambada de safados.!!!

    Curtir

  9. Comentado por:

    leidivania

    Com a ajuda de guajajaras e “quilombolás” subsidiados pelos “amigos franceses” que sabotaram a base de Alcântara, falta dizer. Claro, nada de concorrência com Kourou…

    Curtir