Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O entrevistado do Roda Viva desta segunda foi o jornalista e escritor Cid Benjamin

O entrevistado do Roda Viva desta segunda-feira foi o jornalista e professor universitário Cid de Queiroz Benjamim, que acaba de lançar o livro de memórias Gracias a la Vida. Ex-militante do MR-8, Cid participou do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em setembro de 1970. Preso e torturado, foi libertado em 1970 em troca […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 05h00 - Publicado em 11 nov 2013, 20h47

O entrevistado do Roda Viva desta segunda-feira foi o jornalista e professor universitário Cid de Queiroz Benjamim, que acaba de lançar o livro de memórias Gracias a la Vida. Ex-militante do MR-8, Cid participou do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em setembro de 1970. Preso e torturado, foi libertado em 1970 em troca do embaixador alemão Ehrenfried von Holleben, também sequestrado. Viveu exilado na Argélia, na França, em Cuba e na Suécia até voltar ao Brasil logo depois da anistia de 1979. Um dos fundadores do PT, rompeu com o partido para filiar-se ao PSOL.

No programa, além de debater o quadro político-partidário brasileiro a um ano da sucessão presidencial, Cid falou de sua experiência na luta armada e no PT, cujas deformações tem denunciado com veemência desde que investigou como jornalista o assassinato do prefeito Celso Daniel. A bancada de entrevistadores foi formada pelos jornalistas José Nêumanne, José Fucs, Laura Diniz, Ivan Seixas (também coordenador da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo) e pelo professor universitário Gilberto Maringoni.

Aguardo as manifestações do timaço de comentaristas.

Publicidade