Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O doutor em censura só esqueceu de mandar prender a foto

Os cinco sorrisos ao lado do homem à esquerda realçam o semblante monalisa-no-primeiro-esboço. A sisudez do terno escuro-brasília corretamente suavizada pela flor na lapela, os cabelos grisalhos como as sobrancelhas, o olhar ausente sugerindo que a cabeça flutua por latitudes nada frívolas, os ombros levemente vergados dos que carregam toneladas de pendências a resolver —as […]

Dácio Vieira, Sarney e turma

Os cinco sorrisos ao lado do homem à esquerda realçam o semblante monalisa-no-primeiro-esboço. A sisudez do terno escuro-brasília corretamente suavizada pela flor na lapela, os cabelos grisalhos como as sobrancelhas, o olhar ausente sugerindo que a cabeça flutua por latitudes nada frívolas, os ombros levemente vergados dos que carregam toneladas de pendências a resolver —as aparências gritam que aquilo é um juiz. E é.

Não um juiz qualquer. É um desembargador. Não um magistrado em começo de carreira que despacha no fórum acanhado do grotão. O desembargador Dácio Vieira delibera sobre o destino das gentes e das coisas no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Ele está bem no retrato do grupo de convidados para a festa de casamento. Ângela, sua mulher, e Sânzia Maia, mulher do Alto Funcionário do Congresso, não estão bem nem mal. Ambas com o corpo sitiado pelo vestido tomara-que caia, ambas com os músculos da face distendidos nos limites impostos pelo dermatologista, ambas com o sorriso à prova de angústia de quem está chegando do shopping ou saindo para o shopping, elas apenas completam a paisagem.

O problema é o resto da foto. O cenário confirma que foi feita na festa de casamento da filha do Alto Funcionário Agaciel Maia, durante 15 anos o onipotente e onipresente capataz do Senado. É o mais alegre entre os seis. À sua direita, o senador José Sarney capricha na pose de padrinho da noiva e imortal da Academia. À esquerda do anfitrião, o senador Renan Calheiros camufla com o sorriso de aeromoça a permanente desconfiança de que logo a casa vai cair.

O autor, não identificado nos créditos, talvez soubesse que fotografava um desembargador acidental confraternizando com três prontuários. Mas não poderia saber que estava produzindo a prova de um crime que ainda não fora planejado. Consumou-se neste 31 de julho, quando o homem pago pelos contribuintes para fazer Justiça se nomeou censor da imprensa brasileira e proibiu o Estadão de divulgar informações sobre bandalheiras promovidas pelo bando de que fazem parte Sarney, Renan e Agaciel.

O advogado Dácio Vieira virou juiz contornando o campo minado dos concursos pelo atalho do “quinto constitucional”, que levou um consultor jurídico do Senado ao emprego de desembargador. Amigo e parceiro de Agaciel e Renan, percorreu a trilha desbastada pelo benfeitor José Sarney. Esses defeitos de fabricação explicam tanto a decisão temerária quanto o argumento atrevido que evocou para socorrer o protetor em apuros. Dácio alegou que são coisas privadas, e não assunto público, as obscenas conversas telefônicas que comprovam o desvio de dinheiro público para empresas privadas.

Assinada pelo desembargador, a decisão foi ditada pelo cúmplice. O doutor em censura só esqueceu  de mandar prender a foto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    f tavares

    para a senhora annalygia:
    quem se atém aos códigos, à forma da lei, é advogado: juiz tem que julgar! a senhora decidiu que não se discuta o que é de interesse geral e, além disso, ignora que na democracia, repórter protege as fontes mas não os segredos, pelo contrário. segredo de justiça tem que ter seus guardiães, que não são os jornalistas. quando mal utilizado, defende o réu mas ofende a sociedade e afronta a democracia.

    Curtir

  2. Comentado por:

    anne

    CADE A CORREGEDORIA DO TRIBUNAL DO DISTRITO FEDERAL??? ESSE CARGO É SÓ PARA GANHAR MAIS ALGUM???
    FORA COM ESSA QUADRILHA E ESSE DESEMBARGADOR DEVE SER ENQUADRADO IMEDIATAMENTE SOB PENA DE CAIR NO DESCRÉDITO TODOS OS DESEMBARGADORES HONESTOS.
    QUAIS AS PROVIDENCIAS QUE A ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL ESTA TOMANDO???

    Curtir

  3. Comentado por:

    FERNANDO

    Observando, você deve ser o faxineiro da casa da família sarney, você é aquele ou aquela que passa o dia todo de quatro ou de joelho lambendo os pés dos Teus chefes aí no MARANHÃO. Tudo indica que você faz parte da CAMARILHA que transforma este estado(maranhão) num antro de políticos e magistrados corruptos. A família sarney transformou o maravilhoso estado do maranhão num covil e você deve ser o zelador.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Jorge Schweitzer

    Meu caro, meu caro…
    Deixei recado por aqui, mas fui reprovado na moderação…
    Na realidade o tal “moderador” é algo assim como “fofômetro”…
    Só passa adulação…
    Faz o seguinte, Augustão: retira aquele teu comentário lá do meio em que você fala que reproduz tudo por aqui…
    Ficou incompatível
    Grande Jorge:
    Gostei de retomar o contato com meu amigo. Mas deixa de sacanagem: você disse que era pra 0000repassar ao destinatário aquele comentário tão bom quanto impublicável. Foi o que fiz, Abração, Augusto

    Curtir

  5. Comentado por:

    Claudia Antunes

    Sensacional!
    Para variar, uma descrição exemplar da cena (da foto) e da cena política brasileira.
    Parabéns.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Edson Krebs

    Caro Augusto,
    Que bom que você existe e verbaliza o que certamente muitos cidadãos brasileiros gostariam de dizer.
    Quanto ao “Meritíssimo Desembargador” somente temos a lamentar que o próprio exista, assim como tantos outros no nosso judiciário, a serviço dos lesa-pátrias deste País.

    Curtir