Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O DataNunes constata: com 54%, Aécio vai derrotar as milícias do lulopetismo, os videntes do Datafolha e as ciganas do Ibope

Neste sábado, os videntes do Datafolha trataram de refugiar-se num “empate técnico” e aguardar o resultado da eleição presidencial ali entrincheirados. Vão passar menos vergonha que as ciganas do Ibope, que reiteraram a opção pelo abraço de afogado e insistiram em reeleger Dilma Rousseff. Os institutos que andam errando 11 em cada 10 pesquisas naufragaram […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 02h46 - Publicado em 25 out 2014, 20h11

Neste sábado, os videntes do Datafolha trataram de refugiar-se num “empate técnico” e aguardar o resultado da eleição presidencial ali entrincheirados. Vão passar menos vergonha que as ciganas do Ibope, que reiteraram a opção pelo abraço de afogado e insistiram em reeleger Dilma Rousseff. Os institutos que andam errando 11 em cada 10 pesquisas naufragaram de novo, acaba de constatar o DataNunes. Com 54% dos votos válidos, Aécio Neves está oito pontos percentuais acima de Dilma Rousseff (46%).

O candidato da oposição brasileira garantiu a dianteira graças à goleada imposta a Dilma no debate da Globo e à revelação de que Lula e a sucessora sabiam de tudo o que se passava nas catacumbas infestadas de saqueadores da Petrobras. A dianteira foi consolidada depois do ataque promovido por milícias lulopetistas à sede da Editora Abril e de outras manifestações de ódio à democracia protagonizadas por devotos da seita liberticida.

Avaliadas a direção e a força dos ventos eleitorais, medida a temperatura política, examinados os fatos, ouvida a voz da sensatez, o quinto e último boletim do DataNunes informa que, por determinação do povo brasileiro, a era da canalhice está chegando ao fim.

Publicidade