Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

No país que anda em círculos, a farsa se repete como farsa

Karl Marx acreditava que a História se repete, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa. Se tivesse conhecido o Brasil Maravilha, o bisavô dos stalinistas farofeiros aprenderia que, aqui, um período histórico frequentemente começa já como farsa e como farsa continua a ser encenado anos a fio diante da plateia que engole qualquer […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 04h19 - Publicado em 5 mar 2014, 19h38

Karl Marx acreditava que a História se repete, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa. Se tivesse conhecido o Brasil Maravilha, o bisavô dos stalinistas farofeiros aprenderia que, aqui, um período histórico frequentemente começa já como farsa e como farsa continua a ser encenado anos a fio diante da plateia que engole qualquer história. Essa brasileirice é o tema do post reproduzido na seção Vale Reprise.

A briga reapresentada a cada quatro anos pelo PT e pelo PMDB faz mais que comprovar que, nestes trêfegos trópicos, a farsa se repete como farsa. Também demonstra que o País do Carnaval anda em círculos. No caso do espetáculo protagonizado pelos parceiros da base alugada, gira sempre em torno do mesmo picadeiro.

Publicidade