Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Na entrevista com gente que mente, a verdade nocauteia a presidente

Na entrevista concedida ao Bom Dia, Brasil, Dilma Rousseff inventou que a economia americana está ameaçada pela deflação ─ inflação abaixo de zero, um sintoma de recessão. Foi corrigida pela jornalista Miriam Leitão: neste ano, o índice inflacionário dos Estados Unidos ficará perto de 2%. Pouco depois, Miriam mencionou a taxa de desemprego medida pela […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 12 fev 2017, 09h11 - Publicado em 3 out 2014, 16h46

Na entrevista concedida ao Bom Dia, Brasil, Dilma Rousseff inventou que a economia americana está ameaçada pela deflação ─ inflação abaixo de zero, um sintoma de recessão. Foi corrigida pela jornalista Miriam Leitão: neste ano, o índice inflacionário dos Estados Unidos ficará perto de 2%. Pouco depois, Miriam mencionou a taxa de desemprego medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio. “A PNAD não apura desemprego”, errou de novo a presidente, que em seguida afundou na gabolice: “Ninguém tem no mundo taxa de desemprego de 4,9%”. Aprendeu mais uma: inúmeros países registram índices iguais ou melhores que o recitado pela candidata à reeleição.

Reproduzido no áudio abaixo, um trecho do programa da TV Globo prova que o que Dilma diz é tão confiável quanto uma previsão de Guido Mantega. A certa altura, ela tentava provar que o país que governa está bem melhor que qualquer nação da Europa quando foi mais uma vez devolvida à realidade por Miriam Leitão:

─ A Alemanha cresce 1,5% e nós, 0,3%…

─ Não, a Alemanha não está crescendo 1,5% ─ retrucou Dilma. ─ A Alemanha está crescendo 0,8%.

Publicidade

Miriam estava certa. Por ignorância ou má fé, Dilma usou o índice do segundo trimestre para medir o crescimento anual da potência europeia.

Algumas frases adiante, perdeu a paciência com outra intervenção da jornalista:

─ Eu tenho de fazê a premissa pra chegá na (sic) conclusão.

─ A senhora fica muito tempo na premissa ─ replicou Miriam.

Publicidade

─ Pois é, mas a vida é complicada ─ devolveu a presidente grávida de irritação.

Complicada é a cabeça de quem mente mais do que respira.

 

Publicidade