Clique e assine com até 92% de desconto
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mariana Kalil, jornalista e escritora: uma peregrina de araque viaja pela Terra Santa

Tome-se um grupo de brasileiros formado por um padre, um frade e 35 católicos militantes, todos monoglotas e beirando os 70 anos, em excursão pelos lugares santos do Oriente Médio. Junte-se aos peregrinos uma jovem repórter puro-sangue, fluente em inglês, provida de fina ironia e, além de tudo, descendente de árabes ─ circunstância pouco favorável […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 09h02 - Publicado em 23 abr 2012, 21h39

Tome-se um grupo de brasileiros formado por um padre, um frade e 35 católicos militantes, todos monoglotas e beirando os 70 anos, em excursão pelos lugares santos do Oriente Médio. Junte-se aos peregrinos uma jovem repórter puro-sangue, fluente em inglês, provida de fina ironia e, além de tudo, descendente de árabes ─ circunstância pouco favorável a quem vai cruzar mais de uma vez as fronteiras de Israel. O que pode resultar dessa receita? Uma coleção de episódios que até carrancudos de berço acompanham com um sorriso acampado no rosto, demonstra o sucesso de Peregrina de Araque, livro de estreia de Mariana Kalil.

o-livro-peregrina-de-araque-surgido-de-uma-viagem-que-mariana-kalil-nuncNesta entrevista dividida em três blocos, a editora do Donna, suplemento dominical do jornal Zero Hora, conta que o livro começou a nascer nos primeiros emails enviados à família, todos relatando alguma etapa do que lhe parecera uma viagem nada memorável. As narrativas acabaram esboçando a peregrina de araque que o livro retrata com notável nitidez.

Durante a conversa, Mariana recorda o espanto provocado pela contemplação do Egito real, os duelos com a alfândega israelense, as interrogações aflitivas (“Subo ou não subo o Monte Sinai?”), os constantes pedidos de socorro de viajantes que só falam português e alguns momentos especialmente emocionantes. É só uma amostra do que existe de sobra no livro. A peregrina de araque é uma genuína escritora.

http://videos.abril.com.br/veja/id/3b3cf7ce1a31c621eb31eb799a4c7e47?

http://videos.abril.com.br/veja/id/739ad64bb253153f150da33333b1eb2e?

http://videos.abril.com.br/veja/id/a3676014f45651bc185dd761367ae2f6?

Continua após a publicidade
Publicidade