Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lulinha e seus amigos produziram uma versão criminosa do poema Quadrilha

Lula ajudava a Oi-Telemar, que ajudava Suassuna, que ajudava Lulinha, que ajudava Bittar, e todos ajudavam o presidente

Por Augusto Nunes - 16 dez 2019, 16h20

Ao revelar detalhes de maracutaias envolvendo Lulinha e seus amigos, a operação Lava Jato acabou produzindo uma versão curiosa e muito lucrativa do poema Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade.

Lula ajudava a Oi-Telemar, que ajudava Jonas Suassuna, que ajudava Fábio Luís Lula da Silva, que ajudava Fernando Bittar, e todos eles atendiam, juntos, aos desejos do presidente. Foi assim que Lula ganhou, por exemplo, o sítio em Atibaia.

O pai declarou faz tempo que o filho é um “Ronaldinho dos negócios”. A Lava Jato provou que pai e filho são casos de polícia.

Publicidade