Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fernando Henrique Cardoso: “EUA não têm mais como impor nada para o mundo”

ENTREVISTA PUBLICADA NA FOLHA DESTE SÁBADO Eliane Cantanhêde O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, 79, diz que o presidente Barack Obama chega hoje ao Brasil num novo momento mundial, em que “os EUA vão parar de gritar, vão ter de sussurrar”. Em entrevista à Folha, acrescentou que os EUA precisam mudar com o mundo: “Não dá […]

ENTREVISTA PUBLICADA NA FOLHA DESTE SÁBADO

Eliane Cantanhêde

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, 79, diz que o presidente Barack Obama chega hoje ao Brasil num novo momento mundial, em que “os EUA vão parar de gritar, vão ter de sussurrar”.

Em entrevista à Folha, acrescentou que os EUA precisam mudar com o mundo: “Não dá para ser mais aquele isolacionismo imperial, do “eu quero” e acontece”.

Na opinião dele, o abalo nas relações Brasil-EUA na era Lula foi por causa do Irã, mas a presidente Dilma Rousseff não está promovendo guinada, “só ajustes”.

Dilma convidou FHC e todos os outros ex-presidentes para participar de um almoço oferecido a Obama hoje em Brasília.

O que esperar da vinda de Obama?

Fernando Henrique Cardoso – É um sinal importante que ele venha e que venha agora, num momento em que não dá mais para pensar mais o mundo em termos de Norte e Sul. O Brasil olhou os EUA a vida inteira com o complexo de eles serem Norte e nós, Sul. Apesar da retórica, o fato de discriminar os EUA indicava inferioridade. Não precisamos mais disso.

Por que o abalo nas relações Brasil-EUA?

Sobretudo por causa do Irã. Você se meter no Irã sem ter cartas para jogar era e é arriscado. O que você ganha com isso? E com direitos humanos não dá para brincar. O Lula era visto como homem que vinha da esquerda e fazia uma política sensata. Aí, todo mundo se perguntou: “Ele teve recaída insensata?”

E com a Dilma?

Com os poucos sinais que a Dilma deu, as coisas já começam a se desanuviar.

A decisão do Obama de não vir ao Brasil no governo Lula foi um sinal de insatisfação?

Acho que sim. Nem diria de insatisfação, mas de reserva, de cuidado, por causa do Irã. O governo Lula não foi um governo antiamericano. Você pode falar que foi leniente na questão de direitos humanos, mas os americanos também são. Quando é do interesse deles, eles não se preocupam tanto assim com direitos humanos.

O que gerou a cambalhota da balança comercial? De um superavit de quase US$ 10 bilhões com os EUA em 2006 o Brasil passou a um deficit de quase US$ 8 bilhões em 2010.

Nós deixamos de exportar para os EUA, o que é uma coisa grave. Eles são o maior mercado do mundo. Como houve essa supervalorização do Sul… Não que eu ache errada em si, o que está errado é que foi em detrimento do Norte. Não sou contra a relação com o Sul, não. Sou contra é a ideologia Sul-Sul.

No discurso oficial, a cambalhota foi resultado do câmbio baixo. E o viés ideológico?

No mínimo, é um conjunto. E uma boa questão é o que o governo Dilma vai fazer para desvalorizar o real. Neste momento, é impossível. A saída é atacar o custo-Brasil, o custo-transporte, o custo do imposto, a falta de uma reforma tributária, para não falar na trabalhista.

Qual sua opinião sobre a possibilidade de os EUA fazerem compra antecipada do pré-sal, como a China já fez antes, na base do financiamento?

Tem que ir com jeito com os EUA e com a China, porque você está vendendo o futuro e não houve uma discussão profunda sobre o pré-sal.

E a política externa, o sr. está sentindo uma guinada?

Guinada é forte, pode ser ajuste. A Dilma já enviou sinais de ajustes, já avisou: “Eu não posso… pra mim, direitos humanos é universal”.

Como o Brasil deve se colocar na polaridade EUA-China?

Há interesse do Brasil e dos EUA em se aliar. Os EUA, sozinhos, já não têm mais como impor nada ao mundo, mas é preciso o Brasil entender que os nossos interesses não se alinham numa só direção. Vamos ver que sinal o Obama vai emitir. Se for de que, em certas matérias, vamos jogar juntos, nós não devemos achar que estamos nos subordinando aos EUA.

Em que matérias?

Em meio ambiente, eventualmente na questão nuclear, na Rodada Doha. Vamos forçar a China a entrar num jogo mais puro para todos nós. E mantém-se a política tradicional nossa, de defesa da democracia e dos direitos humanos, sem incensar ditadores na expectativa de que votem em nós para o Conselho de Segurança.

O sr. apostaria que Obama vai repetir aqui o que fez na Índia e apoiar o Brasil para o Conselho? Se não, a viagem vai ficar carimbada como fiasco?

Fiasco eu não diria, mas frustra. E frustra o governo, porque o país nem nota, nem sabe. Acho muito mais vantajoso ter uma ação mais efetiva no G-20, no FMI, no Banco Mundial do que no CS.

Como o sr. imagina os EUA daqui a 20, 30 anos?

O polo mundial se deslocou para os EUA depois que eles ganharam a guerra, porque tiveram capacidade de inventar novas tecnologias e formas de produção. E, agora, a internet, toda essa onda de nova mídia, foi feita lá. A competição estratégica vai ser entre quem vai ter mais capacidade de inovar.

Efeitos da crise?

Eles vão ter de entender que a governança global não se dá mais num diretório fechado. Não dá mais para ser aquele isolacionismo imperial do “eu quero” e acontece.

E o Obama?

Ele entrou num mau momento, pegou uma crise gigante, teve dificuldade imensa em fazer o avanço social e algum ele fez. Se as coisas continuarem assim, pode se reeleger, porque não tem nome forte no outro lado.

E a política externa?

O Obama fez aquele discurso no Egito com uma proposta de conciliação. E daí? Assim como foram surpreendidos pelo fim da URSS, também foram agora com as revoltas no mundo árabe. E ficam atônitos, porque têm essa contradição de apoiar o errado. O chinês só grita quando pisam no calo dele, nós gritamos sem ter calo, e os EUA gritam sempre com e sem calo… Mas vão parar de gritar, vão ter de sussurrar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Helayne Serafim

    Olá, sua coluna pemuito direta e verdadeira.Perfeita!
    Apenas tenho uma observação ínfima no universo de sabedoria que seus artigos passam.
    Refiro-me à frase do título.O verbo TER está conjugado na terceira pessoa do plural, porém quando a palavra própria já é um plural e não vem acompanhada de artigo, também, no plural; o verbo permanece na terceira pessoa do singular.
    Portanto, a frase correta é EUA não TEM mais como impor….(sem acento)
    Caso fosse: OS EUA não TÊM mais como impor….(verbo com acento, em virtude da presença do artigo)
    Fonte: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:zGhu2_RRMGAJ:educacao.uol.com.br/planos-aula/fundamental/portugues-concordancia-verbal.jhtm+concord%C3%A2ncia+verbal+da+palavra+estados+unidos+uoleduca%C3%A7%C3%A3o&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a&source=www.google.com.br
    Não precisa publicar meu depoimento, apenas quero socializar essa observação com você.
    E reforço minha admiração pelo seu jeito sábio de desvendar o nebuloso mundo político.
    Abs
    Gratíssimo pelas observações e pela simpatia, cara Helayne. Como o texto foi transcrito sem qualquer mudança, mantivemos o título publicado pelo jornal. Um abraço.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Lapeno R

    Que prazer em ler as sabias palavras de uma pessoa culta e civilizaca como FHC, inves das bravatas baratas do demagogo Apedeuta.
    Olha, se a coisa seguir esse rumo, o molusco nao tem chance alguma de voltar.
    Essa turma ai que confunde o papel de oposicao com democracia, tem que entender que a oposicao existe, mas nao so para criticar. Quando a situacao acerta em alguma coisa, a oposicao pode e deve concordar e apoiar, e assim que a coisa funciona nas outras democracias do mundo.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Lidi Oliveira

    É um prazer ler comentários tão rico de sabedoria. Revenrencio-o,aqui deixo o meu respeito ao inesquecível e o maior presidente da República do Brasil Fernando Henrique Cardoso.
    Parabéns por ser um homem de honrra!

    Curtir

  4. Comentado por:

    zoot

    Se o Lulla, mesmo depois do mensalão, continuou no poder, dizem, devemos ao FHC. Falam que ele participou ativamente para conter a oposição, pois temia instabilidade política com a queda do chefe do mensalão. Coisa que de certo haveria, mas em tudo na vida existe um preço a pagar! Será a covardia um traço do DNA brasileiro? Se é verdade, eu lamento profundamente e acho uma conduta abominável. Se é mentira, peço desculpas antecipadas.

    Curtir