Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Façanha escondida

“O Brasil era um país predominantemente pobre e se tornou um país predominantemente de classe média”. Dilma Rousseff, na entrevista à CNN americana transmitida neste domingo, fingindo ter esquecido que a maior façanha socioeconômica dos governos lulopetistas foi a extraordinária expansão da subcategoria dos multimilionários gatunos.

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 00h14 - Publicado em 27 out 2015, 00h27

“O Brasil era um país predominantemente pobre e se tornou um país predominantemente de classe média”.

Dilma Rousseff, na entrevista à CNN americana transmitida neste domingo, fingindo ter esquecido que a maior façanha socioeconômica dos governos lulopetistas foi a extraordinária expansão da subcategoria dos multimilionários gatunos.

Publicidade