Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fabrício Carpinejar falou por nós sobre a tragédia anunciada pela passagem das bestas que precedem nossos apocalipses

Estava anestesiado para uma microcirurgia quando se consumou em Santa Maria a tragédia precedida pela passagem das bestas que já anunciaram tantos apocalipses brasileiros: de novo, a Corrupção, a Ganância, a Inépcia, a Incúria, a Insensatez e a Impunidade conspiraram para interromper tão prematuramente quase 250 vidas. Só algumas horas depois fui confrontado com a […]

Estava anestesiado para uma microcirurgia quando se consumou em Santa Maria a tragédia precedida pela passagem das bestas que já anunciaram tantos apocalipses brasileiros: de novo, a Corrupção, a Ganância, a Inépcia, a Incúria, a Insensatez e a Impunidade conspiraram para interromper tão prematuramente quase 250 vidas. Só algumas horas depois fui confrontado com a extensão do drama que terminou para centenas que se foram, apenas começou para milhares que ficaram e estará para sempre riscado a fogo na memória de milhões de brasileiros.

Sobre a madrugada de horror em Santa Maria, o poeta e cronista Fabrício Carpinejar, no texto abaixo reproduzido, falou por nós. Sobre o absurdo como rotina, falemos pelos mortos. Eles só poderão descansar quando forem definitivamente domadas as bestas dos nossos apocalipses.  (AN)

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS

Fabrício Carpinejar

Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça.

A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.

Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.

A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.

As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.

Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.

Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.

Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.

Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.

Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.

Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.

Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo?

O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.

A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.

Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.

Mais de duzentos e quarenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.

Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.

As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.

Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.

As palavras perderam o sentido.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Wanda

    Bom dia. É uma dura realidade mas é a que estamos vivendo, só mesmo pessoas com a capacidade de colocar em palavras todo o sentimento de angústia e tristeza para nos acalmar, nos confortar.

    Curtir

  2. Comentado por:

    daniel

    Neste momento entedi porque existem pessoas com o seu dom, com suas palavras voce lava a nossa alma. Foi para isso que Deus te deu este dom , obrigado

    Curtir

  3. Comentado por:

    Leonardo

    Nada mais precisa ser dito.Obrigado Fabrício.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Eliesio

    Suas palavras relatam ezatamente a realidade dessa tragedia, da dor que sentimos e não sabemos expressar.
    Obrigado pelo apoio, que Deus lhe abençõe!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Márcio Silva

    Entender uma coisa igual ao que a outra pessoa entende é uma utopia, porque é exatamente neste parâmetro que as pessoas se diferem. Cada um, dentro do conhecimento e experiência, é singular. Dizer que o ser humano muitas vezes se excede não é mera verbalização, é consequência de todos os seus desejos e atos. E o ser humano é exagerado mesmo em todos os pontos – não há sol no êxtase que ilumine mais que o seu próprio umbigo. Não é só o Brasil o autor famigerado das vicissitudes negligenciadas. Todo o planeta fomenta-se da mesma concepção apocalíptica no interesse corrosivo capitalista. Foi, sim, muito trágico e espantoso o que aconteceu em Santa Maria – mas, percebamos nós que, em tudo, há um motivo e uma relação aparente de que tudo que acontece é para a melhoria do aprendizado e evolução das espécies. Que tipo de ser é aquele que não cogita o poder de Deus? –O que não cogita é o que tem Fé. É o que sabe que o acontecido tinha, de alguma forma, que acontecer. E, se aconteceu, é porque Deus assim o permitiu. Eu tenho Fé que aprenderemos muito com isso – obrigado.

    Curtir

  6. Comentado por:

    danilo

    Chorei muinto ao ver a fatima lendo este texto no programa dela

    Curtir

  7. Comentado por:

    Lyla Irineu

    Ainda choro descontroladamente qdoo vejo ou ouso falar da tragedia em Santa Maria…

    Curtir