Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Editorial do Estadão: Na bacia das almas

Publicado no Estadão Na primeira reunião com seu novo Ministério, a presidente Dilma Rousseff não tratou de questões administrativas, pois ela já não governa mais. O único tema relevante do encontro foi a perspectiva, cada vez mais real, de que sofra um processo de impeachment. E Dilma implorou a seus ministros que trabalhem para manter […]

Publicado no Estadão

Na primeira reunião com seu novo Ministério, a presidente Dilma Rousseff não tratou de questões administrativas, pois ela já não governa mais. O único tema relevante do encontro foi a perspectiva, cada vez mais real, de que sofra um processo de impeachment. E Dilma implorou a seus ministros que trabalhem para manter o mandato presidencial, pois para isso foram nomeados ─ e não para administrar a coisa pública e cuidar do bem-estar da Nação.

Dilma é hoje uma alma penada, como aquelas que, segundo a tradição medieval cristã, esperam abreviar seu sofrimento por meio da caridade dos que despejam alguns trocados na bacia de doações da igreja. A petista recorre agora a essa “bacia das almas” porque perdeu todas as chances de se redimir de seus pecados políticos e administrativos e depende exclusivamente da boa vontade de terceiros como última cartada para salvar-se do inferno do ostracismo. E essa boa vontade, como se sabe, não é nada desinteressada.

Dilma montou um novo Ministério na expectativa de aplacar o apetite fisiológico da chamada “base aliada” e, assim, garantir apoio no Congresso para impedir a aprovação de mais gastos públicos e, principalmente, para barrar o impeachment. A persistente falta de quórum para votar os vetos de Dilma a projetos que criam despesas mostrou que os novos amigos da presidente não têm como entregar aquilo que lhe prometeram, pois está cada vez mais claro que, uma vez dada a mão, os “governistas” querem arrancar também o braço ─ e não se satisfarão com esse membro.

Enquanto isso, a “governabilidade” fica a depender de gente cada vez menos qualificada, num processo de degradação da administração que desautoriza qualquer manifestação de otimismo sobre o país num futuro previsível. Para Dilma, porém, isso não parece ser importante. A única coisa que interessa é segurar-se na cadeira presidencial, custe o que custar.

Para isso, a presidente e seus cada vez mais raros defensores passaram os últimos tempos a acusar a oposição de atropelar as instituições democráticas com o objetivo de dar um golpe. No entanto, com a derrota sofrida no Tribunal de Contas da União, que rejeitou as contas de seu governo, e no Tribunal Superior Eleitoral, que autorizou o prosseguimento de uma ação que pode lhe cassar o mandato, ficou claro que as instituições, repletas de ministros nomeados pelo próprio governo petista, funcionam muito bem ─ e então Dilma se viu obrigada a mudar seu discurso.

Agora, a presidente, caprichando no “dilmês”, diz que pode estar em curso no país um “golpe democrático”, a exemplo do que, segundo ela, aconteceu no Paraguai em 2012. Trata-se de uma referência ao impeachment do então presidente paraguaio, Fernando Lugo, como resultado de um processo que durou pouco mais de 24 horas ─ tudo feito segundo o que previa a lei local. Na visão de Dilma, a oposição brasileira, assim como fez a paraguaia, quer dar um “golpe” usando as ferramentas oferecidas pelas próprias instituições democráticas. Assim, seu impedimento não seria legítimo, mas fruto de manobras espúrias, com simples aparência de legalidade.

Com isso, Dilma quer desmoralizar qualquer forma de processo contra si e contra seu governo, mesmo que seja conduzido dentro do mais estrito respeito às normas democráticas e constitucionais. É, para dizer o mínimo, uma atitude autoritária.

Em vez de denunciar o tal “golpe à paraguaia” no Brasil, Dilma deveria se empenhar em salvar um pouco da dignidade que lhe resta, a começar pelo reconhecimento sincero de seus erros. Mas não. Dilma até desistiu de negar as “pedaladas fiscais”, pois já não é mais possível dizer que elas não existiram, mas instruiu seus ministros a dizer que aquele artifício contábil foi necessário porque era a única maneira de manter em dia os programas sociais em meio à crise econômica. Com isso, a petista admite que pecou, mas quer convencer o país de que foi por uma boa causa. Se é assim que Dilma pretende ser remida de suas faltas, haja indulgência.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Fervendo

    Augusto:
    Peço Vênia, para colacionar, interessante comentário fático sobre Lula postado no blog do Reinaldo:
    [Anónimo-13/10/2015 às 7:20 pm

    “Caiu, o primeiro tombo” PF quebra sigilo bancário de ‘Lula’ e revela operações milionárias com empreiteiras
    O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) enviou à Polícia Federal e aos integrantes da força-tarefa paranaense, dados estarrecedores sobre a movimentação financeira milionária da LILS, empresa de palestras do ex-presidente Lula.
    De acordo com o documento, Lula faturou apenas através da LILS cerca de R$ 27 milhões, desde que ele deixou a presidência da República. Destes, boa parte do dinheiro veio de empreiteiras investigadas na Lava Jato, como Odebrecht (R$ 2,8 milhões), Andrade Gutierrez (R$ 1,5 milhão) e OAS (R$ 1,4 milhão).
    Lula é milionário. É o ex-presidente mais rico em toda a história do País.
    Essa é apenas uma pequena amostra da movimentação financeira do ex-presidente. Os dados são referentes apenas a conta bancária da LILS e apontam a a destinação de parte dos recursos. De acordo com o relatório, a LILS aplicou R$ 12,9 milhões, fez um plano de previdência privada no valor de R$ 5 milhões, recolheu R$ 3 milhões em impostos e fez transferências de R$ 4,3 milhões.
    Após as revelações de sua conta milionária, Lula entrou em pânico e passou toda a noite em claro. Fez dezenas de ligações durante a madrugada e conseguiu marcar uma reunião de emergência com a presidente Dilma Rousseff na manhã deste sábado. Os dois se encontraram a sós, sem a presença de assessores ou testemunhas.
    A assessoria de imprensa do Planalto assim como a do ex-presidente Lula não repassaram informações sobre o conteúdo da conversa reservada.
    Fontes : Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e Polícia Federal. Valores referentes apenas à LILS, empresa de Lula. Há ainda outros milhões doados por empreiteiras ao Instituto Lula, que não teve o sigilo quebrado. Lula terá que depor em inquérito da Operação Lava Jato.”]
    Grata.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sandy

    Cadê os comentários na grande imprensa sobre o Lulinha hoje? Venda de MP pelo Lula? Conteúdo da decisão do TCU. Não são notícias envelhecidas, não! Poxa! Infelizmente, estão na crista da onda!
    Parecem-me importante lembrá-las concomitantemente às notícias de hoje sobre as decisões liminares de Rosa e Teori no STF.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Lucia S.

    Divertida a idéia de dilma salvar “o que lhe resta de dignidade”.
    Não se salva o que nunca se teve.
    Quanto ao mínimo de vergonha na cara, também não tem e nunca teve.
    Largar os cartõezinhos sem limite, perder os grandes hotéis e restaurantes mundo afora, nem pensar…
    E tudo isto, pasmem, todo este “imenso sacrifício”, por amor aos pobres e ao povo brasileiro!
    Quem sabe um dia, será canonizada…

    Curtir