Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Editorial do Estadão: Manifesto irrefletido

Publicado no Estadão Um grupo de advogados divulgou manifesto com duras críticas à Operação Lava Jato, na qual haveria um “regime de supressão episódica de direitos e garantias”. Não poupam palavras para externar o sentimento de indignação contra os processos judiciais em curso. “Nunca houve um caso penal em que as violações às regras mínimas […]

Publicado no Estadão

Um grupo de advogados divulgou manifesto com duras críticas à Operação Lava Jato, na qual haveria um “regime de supressão episódica de direitos e garantias”. Não poupam palavras para externar o sentimento de indignação contra os processos judiciais em curso. “Nunca houve um caso penal em que as violações às regras mínimas para um justo processo estejam ocorrendo em relação a um número tão grande de réus e de forma tão sistemática”, afirmam os subscritores.

O manifesto não é uma expressão de legítimo interesse público, como tenta se apresentar. Nada mais é do que a defesa de interesses privados. O documento faz parte da atividade profissional de renomados advogados. Afinal, vieram a público defender os interesses de seus clientes, muitos dos quais frequentaram e frequentam o noticiário policial. Esses clientes, em resumo, protagonizam as operações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público.

Se fosse apenas isso, nada haveria de reprovável. O documento seria um instrumento para a devida defesa de réus e condenados. Mas ele ultrapassa essa finalidade ao se tornar um libelo acusatório – sem provas que não as palavras dos signatários e à revelia dos fatos – contra instituições. E resvala para a molecagem quando imprime como subscritores nomes de advogados que não assinaram o manifesto.

Os verdadeiros signatários tratam levianamente a imprensa, como se os jornalistas que a compõem formassem uma massa amorfa de manobra, à disposição de quem queira moldá-la. Ousam dizer que há uma “estratégia de massacre midiático”, parte de “verdadeiro plano de comunicação, desenvolvido em conjunto e em paralelo às acusações formais, e que tem por espúrios objetivos incutir na coletividade a crença de que os acusados são culpados”. Ora, seus clientes tiveram amplas e reiteradas possibilidades para explicar as denúncias que vieram a público. A imprensa tem informado lisamente a respeito do que ocorre. E os brasileiros têm o direito de saber, até porque foi do bolso de cada cidadão que saíram os bilhões de reais que os réus e acusados – que, segundo os advogados, padecem os tormentos da injustiça – enfiaram nas suas contas bancárias, aqui e no exterior.

A metralhadora acusatória dos advogados tem um alvo especial – o juiz Sérgio Moro. “É inconcebível que os processos sejam conduzidos por magistrado que atua com parcialidade, comportando-se de maneira mais acusadora do que a própria acusação”, afirmam os advogados. É grave essa distorção dos fatos. Se os acusados e seus causídicos veem parcialidade em Sérgio Moro, os Tribunais Superiores têm confirmado em grande porcentual as decisões daquele juiz.

É lamentável que pessoas responsáveis e consequentes como as que assinaram o documento afirmem que “a Operação Lava Jato se transformou numa Justiça à parte”. A Operação Lava Jato está plenamente inserida nos caminhos institucionais. Se ela não estivesse dentro da mais plena legalidade, certamente muitos dos subscritores do manifesto, de notória capacidade profissional, já teriam obtido a nulidade dos processos. O que os preocupa é a consistência dos passos dados pela Polícia Federal, pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário.

O documento revela diligência profissional por parte dos causídicos, que não poupam esforços na defesa de seus clientes. Mas o discurso acusatório é um equívoco. Causa involuntário mal à democracia usar palavras de forma arrebatada – e irrefletida. O documento afirma que “o Estado de Direito está sob ameaça e a atuação do Poder Judiciário não pode ser influenciada pela publicidade opressiva que tem sido lançada em desfavor dos acusados e que lhes retira, como consequência, o direito a um julgamento justo e imparcial”. Ora, não se vislumbra qualquer ameaça ao Estado de Direito. As leis estão sendo cumpridas. Bem conhecem os subscritores a previsão legal da prisão preventiva e da delação premiada, por exemplo.

Se houve violações e abusos de direitos nas decisões judiciais, a legislação brasileira prevê generosamente amplos caminhos recursais para sua revisão. Nesse sentido, não há que se falar de supressão de garantias e direitos. Há de se reconhecer que poucos réus na História da Justiça brasileira tiveram a possibilidade de ser tão bem assistidos juridicamente quanto os atuais réus e investigados na Operação Lava Jato. Puderam contratar os melhores e mais caros advogados do país.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    P. Roberto

    Esses “ADEVOGADOS”

    Curtir

  2. Comentado por:

    P. Roberto

    Esses “ADEVOGADOS”, pseudosBAN-BAN-BAN, que também estão “mamando” a grana subtraída da PETROBRÁS, como só sabiam “encher linguiça” com RECURSOS cujo objetivo sempre foi de “EMPURRAR COM A BARRIGA” os processos até prescreverem, agora estão APAVORADOS.
    Seus CARAS DE PAU! E grandes SONEGADORES do Imposto de Renda também.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Irani Maciel

    ASSINO EMBAIXO

    Curtir

  4. Comentado por:

    Despetralhando

    O mome desta estrovenga que o kaikai e acelcas fizeram deveria se chamar MAL-NIFESTO OU MAL-NEFASTO.
    Temos que acompanhar e cobrar dos signatários que são ou foram do serviço público (principalmente dos “STs” a virada de rota.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Indignado

    Esses advogados milionários ,às custas desses políticos e empresários vampiros que sugam o sangue da nação, são especializados meramente em ter influência na esfera judicial e conseguir postergar e abolver os seus clientes bandidos.Pegou pela frente um JUIZ competente e honesto,agora estão esperneando.Cadê a competência?Vamos dar força a Sério Moro porque o mal não pode vencer o bem.

    Curtir

  6. Comentado por:

    João Reis

    Advogado não tem o direito de mentir para livrar o acusado que contratou seus serviços de ser punido por crimes que comprovadamente cometeu. O advogado é o juiz inicial da causa. Não pode agir como comparsa de cliente bandido. COPIADO E COLADO

    Curtir

  7. Comentado por:

    J. CHAGAS ALVES

    O povo brasileiro, não poderá, jamais deixar ocorrer com o Juiz Sérgio Moro, o que ocorreu na Espanha com Baltasar Garzón, o qual enfrentou, quando juiz, pressões de grupos econômicos e políticos para não investigar casos de corrupção e de desvio de recursos públicos por corruptos de modo geral. Hoje em dia, afastado da magistratura, assiste agora um juiz brasileiro (Sérgio Moro) investigar um dos maiores casos de corrupção já conhecido na história do Brasil. Perguntado certa vez o que o País poderia ganhar depois uma investigação dessa grandeza, como aquelas investigadas por ele, respondeu: “O País sempre vai sair reforçado. Se isso não acontecer, será um fracasso do Poder Judiciário e do próprio Estado. A questão não está em determinar quem vai cair, mas em fazer investigações suficientemente consistentes e firmes para que cheguem ao final. Porque, se depois, por uma razão ou por outra, não prosperam, a frustração dos cidadãos é muito maior, porque o sistema não funcionou. Partindo daí, logicamente, trata-se de uma função muito importante a que tem o Poder Judicial, de desenvolver essas investigações de forma consistente com todas as garantias. Isso é fundamental, porque, se não, corre-se o risco de que a investigação caia e nessas garantias não focalizar somente em um aspecto. Quero dizer, se a corrupção se expande ou é transversal, tem que enfrenta-la em todos os aspectos. Não podem haver partes protegidas. Quer dizer, se afeta os serviços de inteligência, precisa-se investigar os serviços de inteligência; Se afeta os serviços policiais, eles precisam ser investigados; Se afeta o próprio poder judiciário, você precisará enfrentá-lo. Se afetar políticos, eles também precisam ser investigados. E sobretudo, focar naqueles que corrompem. Muitas vezes, o setor empresarial, o setor privado fica à margem, parece que os únicos que se corrompem são os servidores públicos — pois é mais grave, pois essa corrupção provoca diretamente um déficit na sociedade. Mas os corruptores são igualmente responsáveis”.

    Curtir