Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dilma Rousseff dá entrevista em dilmês alcoolizado

No tour pela Europa bancado pelos pagadores de impostos, a ex-presidente apresenta ao mundo mais uma versão do dialeto que criou

Em uma das escalas do recente tour pela Europa bancado com o dinheiro dos pagadores de impostos, Dilma Rousseff aproveitou a inocência de um jornalista português para ampliar o repertório de invencionices: “Teve um momento, que eu fiquei… no… no, eu, eu, eu… Eu fui suspensa de ser presidente, mas continuava sendo presidente”, decolou em dilmês castiço. “É uma… uma coisa, é que é uma lei muito antiga, é uma lei de 1950, então ela não dá conta da necessidade que você tem de resolver logo se uma pessoa é presidente ou não é presidente”.

Animada com o movimento afirmativo de cabeça que o jornalista repete enquanto escuta a resposta, a ex-presidente continua. “Então eu, eu era, eu era obrigada a ficar no Palácio do Planalto, do, do, do Alvorada, é um outro palácio, é o palácio de residência, e, é típico dos palácios terem flores”. Como para o neurônio solitário gostar de flores não combina com a personalidade de uma supergerente, Dilma resolveu ponderar: “Eu nunca tinha visto se tinha flor ou não tinha flor, porque cê não tem tempo de ficar olhando se tem flor, mas quando eu estava nessa situação, os golpistas são muito mesquinhos, foram lá e tiraram todas as flores e isso foi noticiado pela imprensa”.

A partir daí, começa o sobrevoo na estratosfera. “Pra mim, um dos grandes momentos foi as mulheres, encheram a praça em, em frente ao, ao palácio e me levaram flores”, inventa Dilma, descrevendo um episódio que nunca existiu. “A partir daí, elas durante… Outro dia eu recebi uma flor lá em Berlim, porque elas me mandavam sempre flor, era, vamos dizer assim, era manifestação delas, mas tem uma outra muito bonita: foram as mulheres as primeiras a se rebelarem e a ir pras ruas, então os movimentos de mulheres, de mulheres jovens, foram para a rua as mulheres e os jovens, primeiro, o que pra mim foi muito importante”.

A discurseira sem sentido talvez seja explicada pelo desfecho: “Eu era dita como sendo uma mulher que tinha uma mania, era obsessiva compulsiva por trabalho, tinha, era work-alcoolic e tinha uma mania de fazer todo mundo trabalhar, o homem seria grande empreendedor”.

Traduzida para o português, a expressão work-alcoolic significa trabalho alcoolizado. A entrevista de Dilma foi coisa de bebum.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Talvez o único q poderia entender essa intelectualidade estocada, seria o “Quoalhada” do genial Chico Anysio, seria um belo diálogo. “Diuma, mas emm…”

    Curtir

  2. 😲 vergonha a alcoólatra e o bebum Luladrão sempre pagando de imbecis. Isso é o que os esquerdopatas querem senpre enfiar goela abaixo como algo bom 👹😠👍

    Curtir

  3. Sonia Fausta Tavares Monteiro

    Mas o que é isso, Augusto? Como é permitido a essa criatura insensata, ainda mais com dinheiro público, fazer o País passar essa vergonha? Está mesmo parecendo coisa de bebum, como ela mesma se define!

    Curtir

  4. Da série: Prá Não Dizer Que Não Falei de Flores.
    Cadê o Celso Arnaldo!?

    Curtir

  5. JOÃO CARLOS FÉLIX DA SILVA

    Inacreditável essa anta ter sido eleita e reeleita presidanta do país. Obra dos petitas assaltantes de cofres públicos.

    Curtir