Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Celso Arnaldo: ‘A imagem de Yoani desembarcando no Recife vale mais que mil palavras que nunca foram ditas em Cuba’

Os manifestantes alugados para hostilizar a blogueira Yoani Sánchez trouxeram de volta à coluna o jornalista Celso Arnaldo Araújo. Único brasileiro especializado em dilmês, nosso grande caçador de cretinices deixou momentaneamente de lado a presidente que não diz coisa com coisa para cuidar das nulidades escaladas para berrar idiotices em aeroportos. Confira. (AN) CELSO ARNALDO […]

Os manifestantes alugados para hostilizar a blogueira Yoani Sánchez trouxeram de volta à coluna o jornalista Celso Arnaldo Araújo. Único brasileiro especializado em dilmês, nosso grande caçador de cretinices deixou momentaneamente de lado a presidente que não diz coisa com coisa para cuidar das nulidades escaladas para berrar idiotices em aeroportos. Confira. (AN)

CELSO ARNALDO ARAÚJO

Faltou destacar a pretensão imbecil desses esbirros de fanfarra cooptados pelo esquema petista-cutista-castrista para a desmoralização de Yoani Sánchez no Brasil. Imagine: eles tentaram intimidar uma moça que há mais de 15 anos não faz outra coisa além de arrostar, de cara lavada, e só munida de seu computador quase desconectado do mundo, uma das mais longas, impenetráveis, impermeáveis e sanguinárias ditaduras da história moderna.

Todo esse tempo, ela enfrentou burocratas suados e gorilas de verde oliva treinados para reprimir, calar, prender, torturar, arrancar e, em nome dos ideais do socialismo, castrar vozes e espíritos dissidentes – esta, a verdadeira especialidade dos Castros. Nunca cedeu, nunca esmoreceu. E, ironia da história: o governo de Cuba, ao finalmente autorizar a saída pacífica de Yoani, depois de dezenas de tentativas frustradas, pelo menos aparentemente demonstrou ser hoje mais tolerante à dissidência que esses cubanos falsificados que quase agrediram a moça na chegada ao Brasil.

Por isso, a imagem de Yoani Sánchez desembarcando no Recife vale mais que mil palavras que nunca foram ditas em Cuba. Para quem conhece a história de Yoani, não causou surpresa a indiferença altiva e serena com que ela reagiu às manifestações da turba mal ensaiada — que talvez tenha até contido sua agressividade natural, já que capaz de coisas muito piores, diante da revelação, na véspera, do complô contra ela. Escalados há tempos para a missão, não quiseram perder a viagem. Mal sabiam esses tipinhos à toa — ofensivos à nossa inteligência, mas inofensivos à ordem geral das coisas — que, aos ouvidos de Yoani, vozes discordantes, mesmo quando pífias e desafinadas, chegam a soar como uma cantata de Bach. Nesses 50 anos, quando ouvidas em Cuba, custaram aos donos das laringes emitentes uma longa temporada numa masmorra imunda e silenciosa.

A recepção vulgar e tacanha a uma jovem dissidente que luta pela liberdade de denunciar a falta de liberdade em Cuba não perturbou Yoani. Pelo contrário: com uma elegância democrática que chega a ser sensual, disse ter gostado até dos insultos que recebeu. E, assim que pisou aqui, mostrou-se deslumbrada com a rapidez da nossa banda larga. De seu celular, obteve conexão imediata. Tweet transmitido ontem de madrugada a seus 410 mil seguidores:

“Créanme que la experiencia de internet me tiene asombrada. Cómo es posible que mi país siga condenado a la desconexión?”.

Em seguida:

“Ahora ya entiendo mejor por qué tantos remilgos, demoras y censuras para abrir el acceso a internet para los cubanos”

Ok, algumas frases mais ressonantes impressionaram Yoani ao chegar ao Brasil — mas definitivamente não foram os xingamentos dos idiotas que tentaram esfregar notas falsas de dólar em sua cara e chegaram a puxar sua linda cabeleira. Tuitou Yoani, ao respirar e a escutar liberdade depois de tantos anos:

“Me asombró ver a varios empleados aeropuertarios de Brasil hablar en voz alta y francamente de política. Em Cuba hablan en un murmullo”.

O murmullo de Yoani finalmente ganhou corpo – a despeito dos sussurros trocados entre os prepostos dos Castros e dos Carvalhos, que tramaram contra ela, contra a liberdade, na Embaixada de Cuba em Brasília.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Carlos Ferraz

    Esse partido (PT) quer de qualquer forma transformar o Brasil em uma Cuba. Não entendem que o tamanho e a importância do país no mundo não permite tal retrocesso. Jamais o brasileiro se adaptará a um regime cumunista, que em regra são ditaduras que visam a beneficiar apenas a cúpula do regime, enquanto o povo sem qualquer liberdade vive do sofrimento provocado pela falta de liberdade.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Carlos Ferraz

    O banditismo do PT está chegando a limites inaceitáveis. Enquanto o Brasil trabalha para alcançar posições importantes no contexto mundial, esse partido (PT) produz eventos que torna o Brasil aos olhos do mundo como uma colônia que está preste a se render a CUBA.

    Curtir

  3. Comentado por:

    bereta

    Não nos esqueçamos daqueles babacas que saíram a desfilar com a estampa do che guevara em suas camisetas vermelhas. Aliás, a “javert de laquê” precisa urgentemente de alguém que lhe diga que aquela roupa a la mao tse sofra mudanças, pelo menos no quesito coloração.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Coriolano

    Augusto,
    meu pai morreu de quê???
    Morreu ao saber o que o filho é.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Óptimus, o Primo

    Ver esta moça falando assim sobre experiências
    que nos parece tão vulgar nata e natural, chega a emocionar – fazendo repensar e repesar o valor daquilo do que temos descurado no cuidado. A liberdade, que agora está de asas estendidas sobre nós!
    Um homem que não presa a liberdade do outro, talvez não saiba da importância da liberdade para si.
    Que seja longo o seu caminho e as suas vitórias, Yoani!

    Curtir