Clique e assine a partir de 8,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bonita, a amizade (2)

“Tem uma coisa que a gente aprende aos 64 anos de idade, que eu não sabia quando eu tinha 20 anos de idade: eu aprendi a não ter raiva das pessoas que têm raiva de mim. Se a gente fica com raiva de quem tem raiva da gente, no fundo, no fundo a gente tá […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 31 jul 2020, 14h45 - Publicado em 21 jul 2010, 22h00

“Tem uma coisa que a gente aprende aos 64 anos de idade, que eu não sabia quando eu tinha 20 anos de idade: eu aprendi a não ter raiva das pessoas que têm raiva de mim. Se a gente fica com raiva de quem tem raiva da gente, no fundo, no fundo a gente tá dando uma vitória pra ele. Porque quando ele quer raiva pra gente é porque ele quer que a gente fique nervoso, tenha azia, tenha gastrite, não durma, não coma. Pois, comigo, quem tiver pensando que eu não vou dormir, ou que vou ter gastrite porque não gostam de mim, pode tratar de gostar”.

Lula, depois do almoço desta terça-feira, aparentemente explicando convive tão bem com Fernando Collor, José Sarney e outros companheiros dos quais tinha muita raiva e que tinham muita raiva do presidente antes que todos descobrissem que são amigos de infância.

Publicidade