Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Analistas de galinheiro explicam o inexplicável

O massacre na escola em Suzano devolveu ao palco o bando de sabidos para os quais não existe pergunta sem resposta

“Não há explicação”, avisa o título do artigo publicado no Estadão desta quinta-feira pelo psiquiatra Daniel Martins de Barros, no espaço reservado ao noticiário sobre o massacre na escola em Suzano. Não há como explicar o inexplicável”, reitera no primeiro parágrafo. “Crimes como o de Suzano angustiam pela morte de jovens, mas também pelo desejo nunca alcançado de se entender”. Para o articulista, episódios do gênero são especialmente chocantes também por não serem frequentes.

Nos últimos anos, 30 jovens brasileiros foram assassinados em selvagerias semelhantes à registrada nesta quarta-feira. Só em 2016, compara o psiquiatra, morreram mais de 30 mil brasileiros com 15 a 29 anos de idade, vítimas de outros tipos de homicídio. Desde o tempo das cavernas sobram evidências de que o ser humano tem defeitos de fabricação, alguns dos quais produzem assassinos patológicos. Não há como decifrar a mente criminosa, mas nossos especialistas em tudo não admitem a existência de perguntas sem respostas.

“É a cultura da violência”, garantem alguns decifradores de enigmas. Provavelmente ignoram que o mais apavorante desses crimes, consumado em 2011, teve como palco uma ilha da pacífica Noruega: um atirador solitário matou 92 jovens reunidos num acampamento. Outros gênios da raça culpam a chamada flexibilização do acesso às armas de fogo, por enquanto apenas um desejo do governo Bolsonaro. A legislação é a mesma de 2011, quando 12 jovens foram executados na escola em Realengo, no Rio de Janeiro.

Há também os que atribuem tais erupções de violência à internet, acusada de manter à margem da vida lá fora uma imensidão de adolescentes. Mas são milhões os jovens que passam horas a fio enfurnados no quarto, às voltas com videogames sangrentos. E se contam nos dedos os que resolveram reproduzir no mundo real cenas de guerras virtuais. Mas explicadores de botequim pulverizam qualquer interrogação com menos de 50 palavras.

É hora de confrontá-los com as três perguntas que afligem a humanidade desde o Dia da Criação. Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Os analistas de galinheiro decerto já têm na ponta da língua a resposta errada.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Geraldo Pereia

    Para a primeira pergunta, “Quem somos?”, tenho uma resposta: somos, sem sombra de úvida, a pior desgraça que habita esse belo planeta Terra.

    Curtir