Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alisson não é jogador da Islândia

Um nome revela muitas coisas, mas para isso é preciso, como no caso do petróleo e das verdades ocultas, fazer prospecções

Deonísio da Silva

O goleiro da seleção brasileira, já convidado para ser modelo, chama-se Alisson, um nome escandinavo. Todos os jogadores da Islândia têm este “son” nos respectivos nomes.

A presença europeia fica ainda mais evidente no nome completo de nosso goleiro: Alisson Ramses Becker. Parece nome de faraó alemão, mas é nome de brasileiro.

Ainda que raro quanto aos dois prenomes e um pouco mais comum no sobrenome, é bem condizente com a miscigenação do Brasil meridional, onde, sobretudo, descendentes de portugueses, espanhóis, alemães, italianos e poloneses se fazem presentes nos estádios, tornando-se maioria em face daqueles que mostram no rosto sinais de outras heranças genéticas, como as indígenas e as africanas.

Nosso país é um dos mais misturados do mundo em questões de etnias e de culturas. A curiosidade adicional no nome do goleiro é que ele tem ainda um tradicional sobrenome de origem europeia: “son” indica sobrenome na cultura escandinava.

Uma das traduções mais literais para Alisson é “filho da Alice”. É nome é também feminino, mas no Brasil é preferencialmente de meninos.

Este “son” é indício dos primeiros sobrenomes, uma necessidade surgida quando o nome já não era suficiente para identificar o indivíduo. O recurso utilizado foi qualificá-lo como “filho” de alguém conhecido da comunidade por aquele nome. O nosso “júnior”, embora restrito ao filho que tenha o mesmo nome do pai, é exemplo do uso deste “son” em outras culturas.

Assim, o filho de Gustavo virou Gustafson, o filho de John tornou-se Johnson. Também na cultura de outros povos, não apenas europeus, o costume era este, ampliado depois com a inclusão do local ou região de nascimento e a profissão.

Somos filhos da Roma Antiga, que também começou a identificar as pessoas com apenas um nome, mas depois chegou a ter quatro ou cinco nomes, tornando o nome prenome.

Todavia, o comum eram três. Assim, César, o famoso estadista e general, chamava-se Caio Júlio César. Seu sucessor, entretanto, o imperador Otávio, recebeu dois nomes ao nascer, Caio Otávio, mas ao morrer tinha cinco, pois acrescentara outros três: Caio Júlio César Otaviano Augusto.

Nos países católicos, o sobrenome passou a ser obrigatório apenas no século XVI, por decisão tomada no Concílio de Trento.

No caso do Brasil, onde durante muitos séculos, apenas a Igreja cuidou da documentação dos brasileiros. A certidão de batismo e a certidão de casamento às vezes eram os únicos documentos do indivíduo pela vida afora, com uma característica muito importante: ao casar, a mulher acrescentava o sobrenome do marido ao seu.

Os filhos passavam a ser batizados apenas com o sobrenome do pai, mas aos poucos foi incorporado também o sobrenome da mãe. Sofia, filha de João da Silva e de Maria dos Santos, chamava-se então Sofia da Silva ou Sofia Santos da Silva.

O sobrenome do pai era sempre o último. Diante da explosão de nomes iguais ou muito semelhantes, os nordestinos passaram a inventar os prenomes, compondo-os com sílabas tiradas de diversos nomes e criando assim identificações muito originais.

“O que há num nome?”, pergunta Shakespeare, acrescentando: “aquilo que chamamos rosa teria bom perfume também com outro nome”.

O nome, a primeira coisa que o indivíduo não escolhe, revela muitas coisas, mas para isso é preciso, como no caso do petróleo e das verdades ocultas, fazer prospecções.

*Deonísio da Silva
Diretor do Instituto da Palavra & Professor
Titular Visitante da Universidade Estácio de Sá
http://portal.estacio.br/instituto-da-palavra

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s