Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Alguém cometeu um crime. O país quer saber quem é o criminoso

A biografia do sociólogo César Benjamin proíbe que se tente enquadrá-lo em qualquer dos  figurinos impostos a quem não se submete ao presidente Lula. Não é louro, nem tem olhos azuis. Não é paulista, e portanto jamais será um granfino quatrocentão. E a trajetória desenhada desde a adolescência passou a distâncias cósmicas das paragens onde conspiram, segundo o serviço […]

A biografia do sociólogo César Benjamin proíbe que se tente enquadrá-lo em qualquer dos  figurinos impostos a quem não se submete ao presidente Lula. Não é louro, nem tem olhos azuis. Não é paulista, e portanto jamais será um granfino quatrocentão. E a trajetória desenhada desde a adolescência passou a distâncias cósmicas das paragens onde conspiram, segundo o serviço de desinteligência do PT, reacionários de alta periculosidade a serviço da elite golpista.

César Benjamin filiou-se a um grupo clandestino de extrema-esquerda aos 15 anos, atravessou os dois seguintes metido na luta armada, foi preso aos 17, torturado durante meses e expulso do país aos 22. Voltou do exílio aos 24, ajudou a fundar o PT aos 26 e foi um dos coordenadores das duas primeiras campanhas presidenciais de Lula. Rompeu com o partido em 1995, transferiu-se mais tarde para o PSOL e figurou como candidato a vice-presidente na chapa de Heloísa Helena.

Aos 55 anos, as semelhanças entre o editor da Contraponto e um direitista ortodoxo são tantas quanto as existentes entre a Amazônia e o sertão do Piauí. Mas também há a separá-lo da esquerda governista o fosso que começou a ser escavado em 1994 e aprofundou-se dramaticamente em 2005, quando César revelou, num programa da TV Bandeirantes, que deixara o PT por ter testemunhado a origem (e ter fracassado na tentativa de neutralizá-la) do escândalo do mensalão.

Em 1993, contou, Lula dispensou-se de consultas e conversas para indicar o representante da CUT no Conselho do Fundo de Assistência ao Trabalhador, o FAT. Cabe aos conselheiros decidirem onde, quando e como serão investidos os muitos milhões movimentados mensalmente pela entidade. O chefe resolveu deslocar do semianonimato para o empregão um companheiro goiano que dava aulas de aritmética a crianças do curso primário e lições de greve a marmanjos inexperientes. Chamava-se Delúbio Soares.

Ainda no início da campanha de 1994, César descobriu que Delúbio, com truques e artifícios ilegais, vinha transferindo do FAT para o PT quantias com dígitos suficientes para deixar excitado um banqueiro americano. Confiante na discurseira sobre valores éticos, relatou o que sabia aos mandarins do partido. Terminada a narrativa, espantou-se com a serenidade dos ouvintes. Ficou mais espantado ao ouvir de Lula e José Dirceu que, “em nome do partido”, deveria esquecer o assunto.

Ignorou a recomendação até render-se às evidências de que denunciara um delinquente aos mandantes do crime. Em 1995, despediu-se de Lula com um aperto de mãos e uma advertência: “Isso aí é o ovo da serpente”.  Era mesmo, soube-se dez anos mais tarde. A trama exposta por César nunca foi desmentida ou retocada pelos acusados. Todos submergiram no silêncio que consente, endossa ou autoriza.

Nesta sexta-feira, num longo artigo publicado na Folha, César Benjamin surpreendeu o país com dois parágrafos extraordinariamente mais explosivos que a grave revelação sobre as primeiras anotações no prontuário de Delúbio. O cenário é uma sala na sede do PT em São Paulo:

Na mesa, estávamos eu, o americano ao meu lado, Lula e o publicitário Paulo de Tarso em frente e, nas cabeceiras, Espinoza (segurança de Lula) e outro publicitário brasileiro que trabalhava conosco, cujo nome também esqueci. Lula puxou conversa: “Você esteve preso, não é Cesinha?” “Estive.” “Quanto tempo?” “Alguns anos…”, desconversei (raramente falo nesse assunto). Lula continuou: “Eu não aguentaria. Não vivo sem boceta”.

Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos 30 dias em que ficara detido. Chamava-o “menino do MEP”, em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do “menino”, que frustrara a investida com cotoveladas e socos.

O artigo merece ser lido na íntegra, mas os dois parágrafos resumem a ópera assombrosa. “Coisa de psicopata”, revidou Gilberto Carvalho, secretário da Presidência. Quem o conhece  não tem motivos para duvidar da sanidade mental do articulista. Mentira!, berraram incontáveis devotos de Lula. O publicitário Paulo de Tarso, numa carta pouco afirmativa, confirmou o encontro, mas avisa, numa linguagem torturada, que não se recorda de ter visto César entre os presentes.

Em 2004, o correspondente do jornal The New York Times, Larry Rohter, quase foi expulso do Brasil por ter registrado que o presidente gosta de beber. Confrontados com as linhas publicadas pela Folha, 99 em 100 leitores previram que César, pela altíssima voltagem do relato, não se livraria de retaliações muito mais severas que as planejadas contra o repórter americano.

Erraram: até agora, Lula não emitiu qualquer sinal de quem pretende ao menos acionar judicialmente o acusador. Para Gilberto Carvalho, fazer isso seria “sujar-se”.  É certo que, com ou sem processo, o autor do artigo está obrigado a provar o que afirmou. Mas ninguém se suja lavando a honra. E não há como varrer para baixo do tapete uma interrogação de tais dimensões. O Brasil ─ e com mais ênfase o Brasil que presta ─ vai exercer o direito de conhecer a verdade.

Sabe-se que houve um crime. Falta saber quem é o criminoso. Se o acusador mentiu, é César. Se não mentiu,  é Lula. Seja quem for o culpado, não pode escapar do castigo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    sandro

    vou rasgar meu titulo não voto mais tenho 44 anos nunca perdi uma eleição estamos colocando vagabundos bandidos no poder se este foce
    um país sério meteriamos esta corja de vagabundos no paredão e todos
    seriam fuzilados é o que eles merecem mas o brasileiro é cordeirinho
    aceita tudo calado o minimo que devia acontecer com estes ladrões
    seria o exilio do país eles deveriam ter vergonha de sair na rua isso sim.
    vamos protestar cobrar cadei para este bando de vagabundos faço um
    desafio quero ver se o deus deste pastor de bosta é maior que o DEUS
    do povo honesto e trabalhador vamos REZAR para que sejam punidos.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Ixmael

    lulovsky também é cultura :
    pop-ularizou o emprego do
    vocábulo “hagiografia”, que
    nunca antes nesse paiz foi
    pronunciado com tamanha
    liberdade. Alvíssaras. Amém.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Reginaldo Almeida

    O problema é que o Lula tem licença para delinqüir. Que diga o Lulinha, que recebeu a grana no primeiro mandato para o papis alterar a lei a abençoar a fusão da Telemar com a BrT no segundo mandato.
    César Benjamin sintetiza muito bem a espécie de fascismo que está sendo gestada no Brasil hoje em dia.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Hobbs

    Baixou um que de Hobbs em mim, não acredito mais na humanidade, acredito menos ainda nesse governo.
    O Lula é um mentiroso e fanfarrão.
    Vcs não tem medo, de rastrearem o IP de vc????. Eu tenho, os companheiros são unidos.
    Marisa Letícia fala, é difícil acreditar, mas ela faz. E faz outra coisa ainda, ela fuma!
    O que vcs acharam das declarações do Benjamim na Folha de São Paulo hoje? Acho o timig dele um pouco estranho, embora acredite na estória, mas também concordo que estamos sofrendo de uma tentativa de propaganda de fazer inveja a Goebbels. Essa de passar filme em cidade do interior. Estudei bastante o fenomeno da propaganda Nazista e encontro no caso brasileiro. O ufanismo, Copa, Rio Olimpiada, Nunca Antes, a linguagem rasteira quase boçal….. na propaganda Nazista Goebbels mostrava judeus ortodoxos ricos, fazendo suas orações e depois mostrava ratos, ratos enormes, em um close, Nenhuma sutileza, quase melhor que o filme…. E tinha o herói, um homem raivoso e herói de guerra, mal compreendido, com alma de artista, que tinha uma missão: criar o Reich…. todos sabem como acabou

    Curtir

  5. Comentado por:

    Valentina de Botas

    Curioso, não, querido colunista?, o caudilho tagarela não perde nenhuma oportunidade de negar um crime fartamente documentando como o mensalão com 36 acusados, mas fez um silêncio estrondoso a respeito da barbaridade relatada por César Benjamin, conhecida e testemunhada por tão poucas pessoas. Lula não perdoou o DEM porque era aliado do PSDB, não perdoa a existência de FHC e decidiu que lhe ensinaria a se comportar como um ex-presidente (condição excruciante para alguém desacostumado a trabalhar e tão apegado ao poder, enquanto FHC, ao contrário, tinha mais o que fazer e aceita serenamente a transitoriedade do poder numa democracia), não perdoou Luiza Erundina por sua participação no governo de Itamar Franco determinando sua expulsão do PT e tantas outras reações truculentas que teve diante de pecado nenhum. Mas resolveu ser misericordioso com César Benjamin. Não estranhemos que Lula, aliado de Ahmadinejad, que nega o holocausto, negue o mensalão. Estranhemos que não negue a denúncia chocante de César Benjamin. Está claro que Lula age assim não por ter algum surto repentino de apreço à verdade, ele faz cara de paisagem – abjeta, aliás – na esperança de que o assunto seja esquecido. Conseguiu: Lula 1 x 0 Verdade. Mas o mensalão que ele tanto nega lhe dá um vareio: Lula 0 x 36 Verdade. Um beijo
    Um beijo, Valentina.

    Curtir