Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A trinca que soltou Bumlai teria abençoado o goleiro Bruno

O sonho de todo delinquente é ser julgado pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal

Por Augusto Nunes - Atualizado em 26 abr 2017, 16h11 - Publicado em 26 abr 2017, 11h53

Nesta terça-feira, por 3 votos a 1, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal expulsou dos campos e devolveu à merecidíssima cadeia o goleiro Bruno. Condenado por assassinato, o mandante da execução de Eliza Samudio (e da ocultação do corpo estraçalhado por cães, vai esperar engaiolado a decisão em segunda instância.

Também nesta terça, por 3 votos a 2, a Segunda Turma do STF devolveu ao recesso do lar o ex-empresário José Carlos Bumlai, convertido ao banditismo militante já no começo do intenso convívio com o amigo Lula. Condenado por gestão fraudulenta e corrupção passiva, vai esperar livre como um táxi a decisão em segunda instância.

O goleiro Bruno deu azar. Se fosse julgado pela turma que libertou Bumlai, seria abençoado pelos ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Celso de Mello. Para a trinca de togas compassivas, um dia na cadeia é infinitamente mais alongado do que um ano nas ruas. Meliante também é gente. E isto aqui é o Brasil.

Publicidade