Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A medalha de Genoíno é mais uma bofetada de Jobim no rosto do Supremo

Nelson Jobim não cabe nas roupas que veste: as arrobas excedentes estufam o paletó, explodem botões, derramam-se sobre a cinta e alimentam a aflitiva sensação de que a calça vai explodir a qualquer momento. Jobim também não cabe nos cargos que ocupa. Vive exercendo funções paralelas, que sempre comprometem (e frequentemente desmoralizam) a atividade principal. […]

(Foto: Gabriel de Paiva/ Agência O Globo)

Nelson Jobim não cabe nas roupas que veste: as arrobas excedentes estufam o paletó, explodem botões, derramam-se sobre a cinta e alimentam a aflitiva sensação de que a calça vai explodir a qualquer momento. Jobim também não cabe nos cargos que ocupa. Vive exercendo funções paralelas, que sempre comprometem (e frequentemente desmoralizam) a atividade principal.

Deputado constituinte, achou acanhada demais a missão de juntar num único texto as centenas de propostas aprovadas pelo plenário. Por conta própria, redigiu dois artigos que nunca foram votados, infiltrou-os na montanha de vogais e consoantes, só confessou o crime alguns anos mais tarde e jamais identificou os passageiros clandestinos da Constituição brasileira.

Ministro da Justiça do governo Fernando Henrique Cardoso, confirmou a participação no furto do sino da faculdade de direito que cursou e seguiu ganhando dinheiro como consultor jurídico de uma grande empresa gaúcha. Ministro do Supremo Tribunal Federal, nunca soube localizar com precisão a fronteira que separa o juiz do político.

Foi o que soube o país no inverno de 2005, quando o escândalo do mensalão encontrou Jobim na presidência da corte. Favorecido pelo recesso de julho, nomeou-se Primeiro Magistrado e fundou uma estranha contrafação da Pastoral Carcerária especializada em livrar da cadeia delinquentes de estimação. Em funcionamento 24 horas por dia, a usina de habeas-corpus preventivos montada por Jobim permitiu que dezenas de meliantes desafiassem a CPI dos Correios sem medo da gaiola.

Ministro da Defesa do governo Lula, promoveu-se a general, almirante e brigadeiro. No começo do ano, botou na cabeça que é o 12° ministro do STF, trajou uma toga imaginária e começou a interferir abusivamente no julgamento do processo do mensalão. Foi por isso que transferiu José Genoíno do banco dos réus para o gabinete de assessor especial. É por isso que acaba de condecorar o mensaleiro juramentado.

Neste sábado, enquanto 200 candidatos a uma cela celebravam com um churrasco a volta de Delúbio Soares ao PT, Jobim transformou o ex-presidente do PT pilhado em flagrante no pântano no primeiro guerrilheiro aposentado a receber a Medalha da Vitória. A honraria é reservada a “ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira  e civis que tenham prestado serviços relevantes ou apoiado o Ministério da Defesa no cumprimento de suas missões constitucionais”.

No mundo civilizado, festeja-se a cada 8 de maio o fim da Segunda Guerra Mundial, que impediu o triunfo completo do totalitarismo nazista. No Brasil, o ministro que comanda as Forças Armadas festejou o companheiro que lutou pela instauração do totalitarismo comunista. Agiu assim para absolver simbolicamente, de novo, o réu que o STF ainda não julgou.

O próprio homenageado pareceu surpreso com o afago do chefe. “Olha, tem acontecido tanta coisa na minha vida e na história do Brasil que a gente só tem que acreditar no Brasil e no futuro, porque muita coisa surpreendente vem acontecendo positivamente”, recitou. Essa é a visão dos culpados impunes. Para quem enxerga as coisas como as coisas são, o que houve foi mais um intolerável triunfo dos fora-da-lei.

“O que o Brasil deseja fazer é um grande ajuste de contas com seu futuro”, tentou justificar Jobim. “O Brasil não quer retaliar seu passado”. Conversa fiada: o que ele chama de “grande ajuste de contas com o futuro” é a absolvição do protegido daqui a alguns meses. Ao nomeá-lo assessor especial, fez de Genoíno o braço-direito do civil que comanda militares. Ao condecorá-lo, travestiu de patriota a serviço da nação um protagonista de maracutaias repulsivas.

Conjugadas, as duas afrontas gritam que Jobim insultou a verdade, debochou dos brasileiros honestos e desferiu outra bofetada no rosto do Supremo. Que os ministros se lembrem da insolência no dia do julgamento do processo do mensalão. Jobim imagina que ainda comanda o tribunal. É preciso mostrar-lhe que não passa de um protetor de quadrilheiros.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    ccrs

    Até hoje ainda não entendi o motivo que levou Jobim a abandonar o Supremo, mas pelas inúmeras mancadas que já cometeu, prova que sua decisão foi mais que acertada.
    Essa sua demonstração de sensibilidade e patriotismo deveria também inspirá-lo a largar o Ministério que ocupa e a recusar qualquer outro cargo público que lhe ofereçam.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Cyro

    O Palloci é médico e atua como consultor econômico!!!
    Para cirurgias gerais, contratem um economista!!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Eduardo Gadelha Jr.

    Com a palavra o nosso futuro presidente: JAIR BOLSONARO.

    Curtir

  4. Comentado por:

    SIDINEI MARTINS DE LIMA

    Aplaudo a reportagem, uma pena que vendamos os olhos a esses escandalos, e ficamos insignicantes a arrogância do ser “supremo”.

    Curtir

  5. Comentado por:

    HÉLIO RIBAS MICHELETTO

    O Todo-Poderoso Nelson Jobim, um civil que comanda militares, concede a “Medalha da Vitória” a um ex-guerilheiro, José Genoíno, e ainda o nomeia “Assessor Especial” tentando justificar “o grande ajuste de contas do Brasil com o seu futuro sem retalhar o seu passado”? Essa atitude do Ministro é realmente muito “genuína”. Até quando haveremos de suportar tamanhos descalabros de um governo de canalhas, covardes, corruptos e ladrões! O Sistema é perverso. E os canalhas agigantam-se diante da impunidade e dos Poderes Constitucionais. Será que a Síndrome da Corrupção está no NDA do povo brasileiro? E o antídoto já não está pacificado na Jurisprudência e no Arcabouço das Leis? Que país é esse? Esse é o país que desejamos e merecemos? O que as dizem as altas Côrtes de Justiça? Está tudo dominado? Então não existe mais nenhuma esperança. Vamos começar a rezar!

    Curtir

  6. Comentado por:

    antonio

    Esta medalha esta sevindo a todos os brasileiros que não querem enxergar a verdade de que este pais esta se transformando no modelo que o pt tanto preconizou em 64 hoje longe o idealismo politico e a farra com dinheiro pulblico

    Curtir

  7. Comentado por:

    Imzéssitu du Eztédili

    Êçe é u nóçu jenerau!

    Curtir