Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A conversa fiada de Dilma sobre o Petrolão avisa que, depois de 12 anos, chegou ao fim o estoque de tapeações e vigarices

A interrupção do surto de mudez não teria sido tão desastrosa se a presidente tentasse desviar milhões de olhares concentrados na roubalheira do Petrolão recorrendo a qualquer das seis ideias de jerico arroladas na enquete em curso na coluna. Caso anunciasse o início das obras da Transposição das Águas do Rio Amazonas, por exemplo, Dilma […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 02h04 - Publicado em 20 fev 2015, 19h05

A interrupção do surto de mudez não teria sido tão desastrosa se a presidente tentasse desviar milhões de olhares concentrados na roubalheira do Petrolão recorrendo a qualquer das seis ideias de jerico arroladas na enquete em curso na coluna. Caso anunciasse o início das obras da Transposição das Águas do Rio Amazonas, por exemplo, Dilma Rousseff poderia induzir ao menos a vanguarda do coro dos contentes a acreditar que a inventividade dos conselheiros Lula e João Santana ainda dá para o gasto.

Mesmo a promessa de construir 6 milhões de creches até 2018, para compensar as 6 mil que não inaugurou nos últimos quatro anos, pareceria mais verossímil que a mágica de picadeiro reapresentada no abjeto palavrório desta sexta-feira: culpar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso pelo escândalo do Petrolão. Para a faxineira que vive cercada de lixo, foi coisa de FHC a transformação da Petrobras numa usina de bandalheiras operada por quadrilheiros subordinados ao governo lulopetista.

Há dois dias, sob o título “Lula pariu a primeira ideia para adiar o desabamento do poste de terninho”, a charge do Alpino abaixo reproduzida mostrou o padrinho soprando aos ouvidos da afilhada a sugestão de 171: “Que tal a gente botar a culpa no governo anterior?” A bisonha tentativa de incluir o Petrolão na “herança maldita de FHC” transformou em profético um post que não pretendia ser mais que sarcástico.

Depois de 12 anos, o estoque de vigarices e tapeações chegou ao fim. Como sabem até os índios das tribos isoladas, os bebês de colo e os napoleões-de-hospício, o maior esquema corrupto de todos os tempos é uma realização instransferível de Lula e Dilma. Da produção à distribuição, do roteiro à escalação do elenco, da direção à maquiagem, da tabela de comissões e propinas ao recrutamento dos figurantes, tudo no Petrolão tem as digitais do PT e seus comparsas.

O mais ruinoso faroeste brasileiro será também um dos mais reveladores documentários sobre estes tempos estranhos. A devassa do Petrolão vai escancarando inexoravelmente os métodos de dominação aperfeiçoados pelo grande clube dos cafajestes que controla o país desde janeiro de 2003. Poucos são tão repulsivos quanto o que fez da corrupção institucionalizada um instrumento de eternização no poder federal.

Continua após a publicidade

A ilusionista de circo mambembe colidiu com as verdades expostas no site de VEJA, começando pelas vigorosas réplicas de FHC e do senador Aécio Neves. Dilma jamais perde a oportunidade de desferir pancadas na própria testa, mas desta vez os estragos passaram da conta. Ao amparar-se no depoimento de Pedro Barusco para atirar em alvos irreais, por exemplo, a bucaneira sem chumbo nem mira chancelou todas as revelações feitas pelo ex-gerente executivo da Petrobras. Tiro no pé é isso aí.

Barusco disse que, no fim do século passado, andou mordendo propinas. Mas “em benefício próprio”, ressalvou o depoente, não para financiar governantes, partidos ou candidatos. Isso aconteceu sistematicamente a partir de 2004. Entre outras safadezas colossais, Barusco confessou ter abastecido os cofres do PT com 200 milhões de dólares desviados da estatal. A fonte de Dilma embolsou algum dinheiro antes da Era Lulopetista. Mas só ficou podre de rico depois de ajudar a reduzir a Petrobras a um viveiro de ladrões abençoados por uma cabeça baldia e por um neurônio solitário.

Em cumplicidade com o diretor Renato Duque, afilhado de José Dirceu, e com João Vaccari, tsoureiro nacional do PT, Barusco montou e não parou mais de ampliar a ramificação criminosa que envolveu bandidos companheiros, gatunos da base alugada e larápios disfarçados de executivos ou empresários. Casos de corrupção existiram em todos os governos, e nenhum tipo de crime pode ficar impune. Que sejam castigados todos os corruptos, tanto por ações isoladas quanto por serviços de altíssima tonelagem ilegal encomendados pelos donos do Brasil a especialistas em negociatas bilionárias. Foi o que ocorreu em Pasadena quando Dilma fazia e desfazia na Petrobras, ou na refinaria Abreu e Lima, um genuíno filhote de Lula.

Tudo somado, o palavrório de Dilma serviu para atestar que os chefões do partido que virou bando se enfurnaram no que é mais que um beco sem saída. É a trilha que desemboca no penhasco.

 

1f140a20-b129-11e4-8bb2-d31c62e10c65_10-02-2015-460x328

Continua após a publicidade

Publicidade