Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A boa notícia nada tem de surpreendente

Vou passar a quinta-feira longe da coluna, mas atento ao que está acontecendo neste espaço e no Brasil. Como só estarei de volta ao ar à noite, segue a essência do que penso sobre os acontecimentos das últimas horas: a notícia de que vai crescendo a possibilidade do segundo turno na eleição presidencial é muito […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 14h09 - Publicado em 23 set 2010, 11h07

Vou passar a quinta-feira longe da coluna, mas atento ao que está acontecendo neste espaço e no Brasil. Como só estarei de volta ao ar à noite, segue a essência do que penso sobre os acontecimentos das últimas horas: a notícia de que vai crescendo a possibilidade do segundo turno na eleição presidencial é muito boa para os democratas, mas nada tem de surpreendente.

Sempre duvidei dos resultados das pesquisas. Nunca perdi muito tempo com índices pescados a milhares de léguas do dia da eleição. Sempre achei que na reta final as curvas seriam, como direi?, corrigidas. Também vivo repetindo que Dilma Rousseff é a adversária que todo concorrente pede a Deus. A oposição que luta na internet tem feito o possível para que o eleitorado enxergue a evidência: a Doutora em Nada é mais que uma candidata de quinta, é um perigo de bom tamanho. Faltava a oposição partidária acordar.

Tomara que tenha acordado a tempo para a obviedade reiterada a cada meio minuto: os governistas precisam ser empurrados para o combate na frente moral. Nessa, eles não têm chances. É por saberem disso que andam tão visivelmente desesperados há tantos dias. Todos sabem que não é possível esconder por muitos dias mais o palanque atulhado de stalinistas farofeiros, órfãos de Marcos Valério, guerrilheiros genoínos, oligarcas cleptomaníacos, sessentonas que fazem qualquer negócio para aparentarem algumas horas a menos, pelegos que cobram por minuto, blogueiros estatizados, jornalistas sem jornal, milicianos de hospício e todas as demais categorias de sócio do imenso clube dos cafajestes.

Eles sabem o que acontecerá se houver segundo turno.

Continua após a publicidade
Publicidade