Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A bancada dos casos de polícia quer o fim da delação premiada

Os parlamentares que conspiram contra a Lava Jato merecem ser transferidos dos gabinetes na Câmara dos Deputados para celas na cadeia

Por Augusto Nunes 26 jul 2017, 14h18

Nas catacumbas da Câmara dos Deputados,um bando de casos de polícia com direito a foro privilegiado armam mais uma conspiração forjada para enfraquecer a Operação Lava Jato. Como informou o Estadão, integrantes da comissão encarregada de modernizar o Código de Processo Penal se juntaram para mudar as normas que regem a delação premiada, a prisão preventiva e a condução coercitiva. Haja atrevimento.

O espetáculo da insolência cafajeste não para por aí. A bancada dos meliantes cinco estrelas também sonha com a revogação da regra, recentemente aprovada pelo Supremo Tribunal Federal, segundo a qual a pena deve começar a ser cumprida depois de confirmada em segunda instância. Acham pouco: preferem a restauração do infame sistema que permitia até a assassinos confessos desfrutar da liberdade enquanto a sentença não transitasse em julgado no STF.

Nenhum dos alvos dos inimigos da Lava Jato precisa de mudanças. Quem implora por uma mudança, física e urgente, são os conspiradores delinquentes. Devem ser transferidos o quanto antes dos gabinetes que ocupam na Câmara para uma cela na cadeia.

Publicidade