Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A analista de velório ainda não sabe que a mais devastadora forma de orfandade é a vivida pelos pais que perdem um filho

Decidida a transformar cadáveres em instrumentos de caça ao voto, a política profissional Luciana Genro também exerce desde sexta-feira o ofício de analista de velório (com curso de especialização em obituário). No serviço de estreia, amparou-se na repercussão de uma tragédia ocorrida no Rio e outra em São Paulo para reprovar enfaticamente o comportamento dos […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 11 fev 2017, 13h33 - Publicado em 5 abr 2015, 21h58

Decidida a transformar cadáveres em instrumentos de caça ao voto, a política profissional Luciana Genro também exerce desde sexta-feira o ofício de analista de velório (com curso de especialização em obituário). No serviço de estreia, amparou-se na repercussão de uma tragédia ocorrida no Rio e outra em São Paulo para reprovar enfaticamente o comportamento dos brasileiros em geral e da  imprensa em particular. O palavrório de Luciana deu uma ideia de como funciona essa espécie de necrofilia eleitoreira.

Corretamente, emissoras de TV, jornais, revistas, e sites noticiaram com igual destaque tanto o assassinato de Eduardo de Jesus Ferreira, o menino de 10 anos baleado na cabeça por um policial no Morro do Alemão, quanto a morte de Thomaz Rodrigues Alckmin, 32, vítima da queda de um helicóptero em Carapicuíba. A doutora em assuntos fúnebres conseguiu enxergar no noticiário outra prova de que a burguesia pouco se importa com dramas protagonizados por gente pobre.

Num dos debates da campanha presidencial, a candidata do PSOL desandou no chilique ao ser qualificada por Aécio Neves de “leviana”. O senador mineiro foi excessivamente brando. É muito mais que leviana uma figura que, frente a dores idênticas, gasta o estoque inteiro de lágrimas de esguicho com o menino do morro enquanto contempla sem compaixão o corpo do caçula de um adversário político.

Luciana Genro se tornou mãe aos 15 anos. Aos 44, acaba de deixar claro que não sabe direito o que é isso. Ela nem desconfia que nenhuma forma de orfandade é mais devastadora que a vivida por quem perde um filho.

Publicidade