Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Mais escuro que mil noites” e outras quatro notas de Carlos Brickmann

O comum dos mortais compra uma passagem comum; o incomum sabe que será vaiado durante a viagem

Publicado na coluna de Carlos Brickmann

O café vem frio, isso quando vem. Jatinho ou avião da FAB, nem pensar. O comum dos mortais compra uma passagem comum; o incomum sabe que será vaiado durante a viagem, interpelado no aeroporto, insultado; e, máxima humilhação, precisará chamar a Polícia para protegê-lo dos homens comuns a quem desprezava, aqueles bobos que gastavam seu dinheiro para viajar, em vez de viajar de graça e ainda embolsar diárias suficientes para tornar-se não um correntista comum, mas um usufrutuário. Não pode tomar um Chicabon, no bar, sem proteção. Nada nele é comum. E justo agora, Dudu Cunha, como lhe faz falta um pouco de vida comum!

É triste não ser comum, por menos que ser comum pareça desejável. Para outra criatura incomum, criou-se no Itamaraty um cargo que não existia, com um bom salário fartamente calculado, verbas, assessores, passagens, e se lhe destinou um ótimo apartamento funcional, onde mora numa boa há 13 anos. A julgar por certos sinais bem perceptíveis, foi protegido neste tempo contra a aproximação de dentistas; a julgar pelos resultados que obteve, foi protegido contra a maldição bíblica que determina aos humanos comuns que ganhem o pão com o suor de seu rosto.

E agora, Marco Aurélio, que a festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, que tal parar de ignorar a decisão oficial e sair do imóvel indevidamente ocupado?

Senhores incomuns, é hora de largar o osso!

 

Meninos, eu ouvi

Por mais improvável que pareça, este colunista, pré-adolescente, ligava as ondas curtas de seu rádio Philco para ouvir os debates na Câmara Federal. Dava para ouvir Carlos Lacerda, Almino Affonso, Eloy Dutra, Bilac Pinto, Adaucto Lúcio Cardoso, Emílio Carlos, políticos de primeiro time que se enfrentavam em duros debates. Esse pessoal que hoje disputa a Presidência da Câmara não era nem terceiro reserva. Ganhador de loterias, como Fernando Giacobo, que disse ter sido premiado 12 vezes em 1997, seria considerado um tipo pitoresco, e olhe lá. Por estar na lista da Lava Jato, ficaria fora do jogo. Como seus adversários Rogélio Rosso, investigado por peculato, e Rodrigo Maia, citado em textos de Leo Pinheiro, da OAS.

E nenhum debate deles vale o esforço de ouvi-los.

 

O caminho de Cunha

O trabalho de Eduardo Cunha no afastamento de Dilma foi essencial. Mas não garante seu futuro. Com toda sua competência e habilidade, vai conseguir adiar a decisão parlamentar por algum tempo, não mais do que isso. Tudo indica que consiga sobreviver até agosto.

E suas conquistas máximas devem limitar-se a afastar as investigações sobre mulher e filha.

 

Pague que a conta é sua

Aquela dúvida sobre a redução do déficit público, entre economia e aumento de impostos, já está resolvida: a participação popular foi vitoriosa. O ministro Eliseu Padilha deixou clara essa opção: o Governo buscará economizar nas despesas e receitas – o que, se ocorrer, terá de atingir um volume gigantesco – e, depois, imposto. Vem Cise sim, com a vantagem de que não precisa de aprovação do Congresso. Vem a CPMF, devidamente embalada com algum projeto social (saúde, educação, casas populares).

Vêm também os protestos, mas não haverá jeito de deixar de pagar.

 

Coelhada neles

Está na revista da Turma da Mônica Jovem: Mônica, irritada com tantos palpites sobre o uso ou não de aparelho nos dentes, protesta com a frase  “Meu corpo, minhas regras… podem discutir e debater até cansar”.

Caiu o mundo na Internet, com muita gente acusando Maurício de Souza e a quadrinista Petra Leão de integrar uma conspiração esquerdista – como se as mulheres não esquerdistas fossem imunes à menstruação.

Este colunista opina: a) regras fazem parte da vida feminina – aliás, da geração de vida humana; b) lê quem quer e compra a revista; c) Maurício tem um clássico da Turma da Mônica que, além de divertido como sempre são suas revistas, ganhou prêmio da ONU pelo combate ao racismo; d) este colunista foi personagem da Turma da Mônica, foi colega de Maurício na Folha de S.Paulo, e se orgulha disso; e) seus filhos sempre tiveram acesso às revistas dele. Maurício é amigo, gente fina, e, para este colunista, sempre tem razão. Mensagens contra o Maurício serão encaminhadas à cesta seção.

 

Sol quadrado

Carlinhos Cachoeira, condenado à prisão domiciliar, está cumprindo pena num hotel à beira da praia em Copacabana. Seu apartamento fica de frente para o mar. Dali, Cachoeira vê o Sol nascer quadrado, por trás de uma falha na vegetação. Em compensação, não precisa de tornozeleira eletrônica, que anda meio em falta no mercado brasileiro. Mas não está numa boa, embora pareça que goze de regalias. A Polícia Federal tem ordem para monitorá-lo o tempo todo.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Sophia K.

    “Segundo a Folha de S. Paulo, o ministro Marco Aurélio de Mello procurou desembargadores para tratar da indicação da filha, em lista tríplice, para o cargo. Sua filha não tem cursos de pós-gradução, formou-se em uma universidade pouco prestigiada e, no TJ do Rio, há menção a apenas cinco processos em que teria atuado. Em defesa, Marco Aurélio afirmou: “É pecado (a indicação)? É justo que nossos filhos tenham de optar por uma vida de monge?”. É justo seus filhos optarem por uma vida de monge (se é que serão). O Brasil não tem pessoas competentes no comando das engrenagens essenciais ao país. Vemos um amontoado de indicações políticas em benefício próprio e de partidos. Tiririca está lá.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sophia K.

    Coelhada neles Brickmann!

    Curtir

  3. Comentado por:

    ANGÈLÌKA –

    Poderíamos INOVAR. Ao invés de um Governo totalmente dependente do NOSSO DINHEIRO e SUOR, colocar em seu lugar uma EMPRESA sem ser “(privada)”, privativa ou no máximo LTDA e dentro do conceito da CLT, cada um vivendo e se mantendo com o seu salário BRUTO (ponto), para gerenciar o país.
    Aposto que daria CERTO.

    Curtir

  4. Comentado por:

    G Carvalho

    Indicadores Políticos e Sociais Precários
    Entre uma escola e outra, urge aprovar um projeto para a construção de penitenciária destinada a políticos bandidos (não, cara, a expressão “políticos bandidos” não é necessariamente redundante). O mesmo, entre um hospital e outro.
    Gastar bem o dinheiro público exige senso de prioridade. É prioritário expandir a oferta de vagas no xilindró para acolher os próceres dedicados à gatunice planejada e orquestrada em nível central. Enquanto isso, deve-se conceber uma estratégia que permita a redução de seu absurdo contingente. Pode-se começar, sem qualquer margem de erro, pela extinção de dezenas de grupos de interesse que se fantasiam de legendas políticas de aluguel. Custam muito ao País-Potência, em estado falimentar não caracterizado.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Adelu

    “Mensagens contra Maurício serão encaminhadas a esta seção”. Olha que o pessoal do “é golpe, é golpe, é golpe” volta à carga com aquele papo contra o Chico Bento devido à sua maneira caipira de falar.Querem o perfeccionismo da língua portuguesa sem entender a beleza da manifestação simples do homem da roça mas não praticam o perfeccionismo do não roubar, também inerente ao homem simples da roça.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Marri

    “Mais escuro que mil noites” está sendo a vida dos brasileiros desempregados, resultado das roubalheiras feitas pelos petistas e aliados da mesma laia. Pobre turma da Mônica que passa pela adolescência neste momento de caos nacional. Sem perspectivas… Tiveram infâncias mais equilibradas, apesar dos pesares. Os políticos de hoje estão mais preocupados com seus próprios bolsos e nada com o povão. Brevemente seremos novamente agraciados com a volta da CPMF, continuaremos ver Paulos Bernardos, Carlinhos Cachoeiras, Cunhas, Renans, Jucás, Lulas, e todos os centenas de outros vendo o sol nascer entre folhas de árvores… Muitos até com o reflexo do Sol nas águas azuis ou verdes dos mares. Tem jeito, não, só mesmo com muita reza brava, mandinga e fé em todos os santos… Rsrs

    Curtir

  7. Comentado por:

    Rodrigues Junior

    Triste a sina do brasileiro. E pensar que o presidente da Câmara é o terceiro na linha sucessória da presidência do país. Imagine um despreparado, torcendo para que as mulheres contraiam zika antes da idade fértil; ou nos torturar com frases como “sexo é para amador, gravidez é para profissional”, diante da microcefalia!

    Curtir

  8. Comentado por:

    maria-maria

    Designar policiais para monitorar os quadrilheiros, que gozam as delícias da liberdade pela gênero$idade de um juizete camarada completa o deboche que alguns homens das leis (fajutas) proporcionam aos espoliados contribuintes.

    Curtir

  9. Comentado por:

    Ariel

    Ficaria muito decepcionado se o grande Mauricio de Souza fosse realmente um militante dessa esquerda idiota. Opiniões e posições políticas, sociais e culturais ele pode e deve ter. Na verdade eu acho que a turma nem deveria ter crescido. O tempo estraga o ser humano. Só leio (e ainda leio aos 47 anos) a Turma da Mônica original (crianças). Sou fã de carteirinha do Chico Bento.

    Curtir

  10. Comentado por:

    Despetralhando

    A PF está monitorando (policiando) ou ‘escolta policial’ servindo de segurança.
    Aí fica fácil o cara rouba “trocentos milhão”, é condenado a viver num apartamento a beira mar (será que é triplex?), e com a escolta policial não será assaltado, porque “ladrão que rouba ladrão, tem cem anos de perdão”.
    A polícia não tem dinheiro para comprar tornozeleiras, pegue do dinheiro roubada e está tudo resolvido.

    Curtir